Escrita

Escrita banner

José Marcos Ribeiro (Foto: Reprodução)
 

“Esses dias foram terríveis”, é o que afirma o vigilante José Marcos Ribeiro, de 54 anos, solto na manhã de quarta-feira (15) após quatro dias preso suspeito pelo crime de estupro de vulnerável contra um bebê de 10 meses dentro do Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), em Natal. Ele estava detido na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP) e sempre negou a acusação.

O alvará de soltura, emitido na noite de terça-feira (14), foi publicado após um pedido da defesa de Marcos, que considerou o laudo emitido pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) descartando a suspeita de sêmen humano no líquido encontrado no rosto, assim como indícios de agressão ou violência sexual contra o bebê.

Logo após a soltura, Marcos retornou ao hospital para visitar o filho, Lorenzo Ravi, de 11 meses. Durante a tarde, o vigilante encontrou a reportagem da InterTV Cabugi, e disse que foi pego de surpresa com a prisão.

“Estava no quarto do hospital com meu filho, de repente entrou um funcionário, me chamou para fora do quarto onde policiais me aguardavam e fui levado. Vim saber do que estava sendo preso somente na delegacia”, afirmou.

A denúncia do suposto crime foi feita na noite de sexta-feira pela mãe do bebê. Com isso, Marcos foi levado para a delegacia pela Polícia Militar. A PM havia sido acionada pela segurança do hospital depois que o laboratório da unidade hospitalar analisou a amostra do líquido coletado na criança, que constatou, segundo o relato do segurança do Huol para o policial, que se tratava de sêmen.

Os policiais deixaram o local com um depoimento apresentado e assinado por uma farmacêutica do Huol. O documento, escrito a próprio punho pela profissional que estava de plantão no laboratório, relata que visualizou, por meio de um microscópio, células características semelhantes a espermatozoides na amostra coletada.

Mesmo sem ter resistido à prisão, Marcos foi algemado pelos policiais. Do hospital, ele foi conduzido para a Central de Flagrantes da Polícia Civil, onde foi interrogado por uma delegada. “Acho que ela queria que eu dissesse que tinha feito. Em todo o tempo eu disse que não fiz, ela se irritou duas vezes e mandou que me levassem”, disse.

Na manhã seguinte, no sábado (11), ele foi submetido aos exames no Itep e encaminhado para a Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP), na Grande Natal, onde permaneceu até ser solto, na quarta-feira. “Esses dias foram terríveis”, disse Marcos.

“Vou tomar providências porque minha imagem foi exposta. Vou atrás dos meus direitos. Sou vigilante na cidade de Santa Cruz, muita gente me conhece. Procurei a imprensa porque minha imagem está em jogo. O que mais quero é resolver definitivamente”, ressaltou.

Relembre o caso: Bebê de dez meses é vítima de abuso sexual em hospital de Natal

G1/RN


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

Cacim