Banner

OCULUM 600 120

 

O Banco Central decidiu na quarta-feira (19) manter a taxa Selic em 10,50% ao ano, em decisão unânime de sua diretoria para interromper o ciclo de afrouxamento monetário iniciado em agosto do ano passado.

"O Comitê, unanimemente, optou por interromper o ciclo de queda de juros, destacando que o cenário global incerto e o cenário doméstico marcado por resiliência na atividade, elevação das projeções de inflação e expectativas desancoradas demandam maior cautela", informou o Comitê de Política Monetária (Copom) em comunicado.

De acordo com o documento, a diretoria entende que a política monetária deve se manter contracionista por tempo suficiente em patamar que consolide não apenas o processo de desinflação, como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas.

Entidades empresariais criticam decisão do BC de manter juros altos

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou um comunicado em que considera "inadequada e excessivamente conservadora" a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

Segundo a entidade, a manutenção dos juros, neste momento, vai impor restrições adicionais à atividade econômica, com reflexos negativos sobre o emprego e a renda, sem que o "quadro inflacionário exija tamanho sacrifício", informa o jornal O Globo.

Também a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) criticou a decisão de manter a Selic como prejudicial à recuperação de importantes setores econômicos do país. "Esse patamar elevado continua a limitar a expansão dos investimentos. Ademais, a indústria, entre os três principais setores que compõem o PIB, foi a única a apresentar desempenho negativo no último trimestre", disse a entidade em nota.

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) também emitiu comunicado criticando a decisão do Copom. 

A decisão do Copom também preocupa a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Assim como os demais setores produtivos do país, a instituição diz que que “este é um movimento equivocado, já que ainda haveria espaço para uma redução de 0,25 ponto nesta reunião”.

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul afirma que o melhor cenário seria a continuidade do ciclo de redução dos juros, principalmente devido às condições difíceis que as empresas do Rio Grande do Sul estão enfrentando. Mas, diante do "desajuste econômico das últimas semanas, pode ser prejudicial à indústria".

Com informações do Brasil 247


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA