Banner

OCULUM 600 120

 

Após 59 dias de paralisação das atividades, os professores e professoras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) decidiram pelo encerramento da greve, em consulta plebiscitária finalizada na quinta-feira (20), através do site do sindicato da categoria (ADURN-Sindicato). Participaram do plebiscito 1.760 docentes, dos quais 61,48% votaram pelo retorno das atividades, 36,59% pela continuidade do movimento grevista e 1,93% se abstiveram. 

Na última terça-feira (18), a diretoria do ADURN-Sindicato havia se posicionado orientando a categoria a votar pelo encerramento da paralisação. Para o presidente do ADURN-Sindicato, Oswaldo Negrão, a greve realizada pelos docentes da UFRN foi histórica e cumpriu o seu papel. “Fizemos um movimento forte, que contou com ampla participação da categoria, e mobilizou toda a nossa universidade. Foi uma greve, inclusive, de caráter pedagógico”, afirmou o dirigente.

No documento assinado na terça-feira, a direção do sindicato apontou os motivos pelos quais defendeu o posicionamento de encerramento da greve, entre eles: a assinatura do Termo de Acordo pelo PROIFES-Federação, garantindo aos professores e professoras o reajuste linear de 9%, em 2025, e de 3,5%, em 2026, além da reestruturação das carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT); o reajuste dos valores dos auxílios alimentação, creche e saúde; e o anúncio feito pelo Governo de R$5,5 bilhões para a consolidação e a expansão das universidades e dos hospitais universitários federais.

Nesta sexta-feira (21), diretoria, conselho de representantes e comando de greve do ADURN-Sindicato se reúnem com a reitoria da UFRN para discutir o ajuste do calendário acadêmico. A expectativa é de que as aulas retornem já na segunda-feira (24).

TN



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA