Governo

640x128

 

A taxa de desemprego do Rio Grande do Norte ficou em 10,1% - a quinta maior do país - no terceiro trimestre de 2023. O dado está na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad), divulgada na quarta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ainda de acordo com o estudo, os trabalhadores potiguares tiveram uma renda mensal média de R$ 2.248 - um valor abaixo do nacional, que foi de R$ 2.982 no período. A diferença é de R$ 734 reais.

Ainda assim, o valor recebido pelos potiguares teve um aumento de 6,9% em comparação com o mesmo período de 2022.

A pesquisa do IBGE leva em conta a situação de pessoas com idade produtiva, a partir dos 14 anos.

De acordo com o levantamento, apenas quatro estados tiveram taxa de desemprego superior à do Rio Grande do Norte no semestre de julho a setembro. São eles: Bahia(13,3), Pernambuco (13,2), Amapá(12,6) e Rio de Janeiro (10,9). A média nacional de desocupação ficou em 7,7%.

Segundo o IBGE a taxa de desemprego do RN se manteve estável no período. Na comparação com o mesmo trimestre em 2022, houve uma redução de apenas 0,4. Na comparação com o trimestre de abril a junho, a queda foi de 0,2 - o que classifica a situação da unidade da federação como estável.

Apenas três estados registraram queda no desemprego, segundo o IBGE: São Paulo, Maranhão e Acre.

Mão de obra subutilizada no RN

A subutilização da força de trabalho, que é o percentual de pessoas desocupadas, ou subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas, por exemplo, foi de 25,3% no período - uma taxa bem maior que a média nacional, que foi de 17,6%.

Ainda de acordo com a Pnad, 25,5% dos trabalhadores potiguares trabalham por conta própria - a mesma média nacional.

Apenas 66,3% dos trabalhadores no setor privado possuem carteira de trabalho assinada, no estado.

G1/RN



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

Cacim