Escrita

Escrita banner

 

Foto: TV Globo

A versão oficial da polícia civil do Rio de Janeiro sobre o crime bárbaro contra quatro médicos na Barra da Tijuca provoca desconfiança nas redes sociais. "A execução ocorreu porque traficantes confundiram o médico com miliciano e depois de descobrirem o erro os traficantes foram assassinados. Em menos de 24 horas tão falando isso...

Nessa versão os autores do fato não estariam vivos e a investigação seria encerrada", apontou a professora de filosofia Bia Gomes. O comunicador Thiago dos Reis aponta a possibilidade de queima de arquivo. "Milicianos matam o irmão de uma das deputadas mais atuantes contra o bolsonarismo e apagam os assassinos antes que possam delatar o mandante, é isso mesmo?", questiona.

Entenda o caso

Três médicos foram assassinados na madrugada de quinta-feira (5) na cidade do Rio de Janeiro. Uma quarta vítima do ataque a tiros ficou ferida e foi encaminhada ao hospital.  

Segundo a Polícia Militar, eles estavam em um quiosque na orla da Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, quando homens em um carro pararam no local e dispararam contra as vítimas.

Os quatro profissionais atuam fora do Rio de Janeiro e estavam na cidade para participar de um congresso internacional de cirurgia minimamente invasiva de tornozelo e pé.

A Polícia Civil identificou os médicos mortos como Marcos de Andrade Corsato, Diego Ralf de Souza Bomfim e Perseu Ribeiro Almeida.

Diego Bomfim é irmão da deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e cunhado do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ).

Corsato, médico do Instituto de Ortopedia e Traumatologia da Universidade de São Paulo (USP), e Bomfim são registrados no Conselho de Medicina de São Paulo. Já Almeida é registrado no conselho baiano. 

A vítima ferida no ataque  foi encaminhada ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, no mesmo bairro. A Secretaria Municipal de Saúde informou que seu estado de saúde é estável.

Com informações da Agência Brasil

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA