Escrita

Escrita banner

O agricultor Antônio Romário da Silva Costa, de 33 anos, foi assassinado por volta das 21 horas de sexta-feira, 6, em frente à Igreja Matriz da cidade de Frutuoso Gomes, no Oeste do Rio Grande do Norte. O áudio dos disparos foi registrado pela transmissão online da novena. (Clique AQUI para ver)

Na ocasião do ataque, uma criança também foi baleada. Ela foi socorrida para o Hospital Regional de Pau dos Ferros e não corre risco de morte. O corpo de Romário foi removido para exames no ITEP de Pau dos Ferros.

O caso deve ser investigado pela Polícia Civil da região, em parceria com a Paraíba, pois pode ter relação com vários outros assassinatos ocorridos nas últimas quatro décadas no Alto Oeste do Rio Grande do Norte e principalmente na região do Alto Sertão do Estado da Paraíba (PB).

O plantão regional da Polícia Civil de Patu acompanhou os trabalhos de perícia e remoção do corpo. Colheu as primeiras informações a respeito do caso, começando por levantar o perfil da vítima, Antônio Romário da Silva Costa, da comunidade de Cachoeirinha, de Frutuoso Gomes.

Operação Laços de Sangue

Antônio Romário havia sido preso pela Polícia Civil, numa operação que recebeu o nome de Laços de Sangue, no dia 6 de novembro de 2015, em sua residência, na localidade de Cachoeirinha, em Frutuoso Gomes, acusado de participação de um assassinato em Lucrécia.

Romário foi submetido a Júri Popular e absolvido, em julho de 2017, na Comarca de Mossoró, da acusação de participação do assassinato do comerciante Francisco Valdemes da Silva, o Galego de Bastião, ocorrido em 5 de novembro de 2015, em Lucrécia.

No Júri, o advogado de defesa, Félix Gomes Neto, mostrou que Antônio Romário da Silva Costa não era o mesmo Romário procurado pelo assassinato do comerciante Galego de Bastião. No caso, o advogado mostrou que o cliente estava preso injustamente.

Os demais acusados, Ezequias Agostinho da Silva, o Galego Feio, a época com 31 anos, e também Marcelo Oliveira da Silva, conhecido como O Padre, na época com 24 anos, pegaram dez anos de prisão. O outro envolvido neste caso é Humberto Patrick Cavalcante de Oliveira, o Gordo, de 33 anos, não foi preso à época. Deve ser levado a Júri quando um dia for capturado.

Mossoró Hoje


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA