Metade dos deputados federais do Rio Grande do Norte votou nessa quarta-feira (13) contra a proposta do PSB de tornar o Auxílio Brasil permanente no valor de R$ 600. Ao todo, foram 338 votos contrários no plenário da Câmara dos Deputados, o que derrubou a proposta.

Com isso, a PEC que amplia benefícios sociais faltando menos de três meses para a eleição avançou prevendo que o Auxílio Brasil terá R$ 600 apenas até o fim deste ano.

Todos os oito deputados potiguares estiveram presentes na sessão.

Votaram contra:

Beto Rosado (PP)

General Girão (PL)

João Maia (PL)

Walter Alves (MDB)

Votaram a favor:

Benes Leocádio (UB)

Carla Dickson (UB)

Natália Bonavides (PT)

Rafael Motta (PSB)

Com a votação na tarde dessa quarta-feira desse pedido para tornar o Auxílio Brasil permanente em R$ 600, a Câmara finalizou a votação, em 1º turno, da PEC. Agora, falta a votação em 2º turno. A proposta autoriza o governo a gastar R$ 41,2 bilhões para conceder benefícios a menos de três meses das eleições, burlando as legislações fiscais e eleitorais.

A PEC foi aprovada em 1º turno por 393 votos favoráveis e apenas 14 contrários. Sete dos oito deputados do Rio Grande do Norte votaram a favor. Rafael Motta não votou.

Entre outros pontos, a PEC — discutida a menos de três meses das eleições — aumenta o valor do Auxílio Brasil para R$ 600 até dezembro, amplia o Vale-Gás para R$ 120 e cria um “voucher” de R$ 1 mil para os caminhoneiros.

Com informações do Portal 98 FM



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem