O espetáculo teatral Sinapse Darwin, trabalho idealizado pela produtora Casa de Zoé, chega a Mossoró nesta sexta-feira, 20, com duas apresentações totalmente gratuitas, que ocorrerão no Ginásio Carecão, localizado ao lado do Colégio Diocesano. As apresentações ocorrem às 17h30, aberta aos alunos da escola, e às 20h.

Sinapse Darwin é uma obra inspirada na vida e obra do pesquisador e naturalista Charles Robert Darwin. O espetáculo tem direção geral e dramaturgia do mossoroense César Ferrario e direção de arte de João Marcelino. A reportagem do Jornal De Fato conversou com César Ferrario sobre o tema do projeto, as expectativas da apresentação em Mossoró e, também, sobre a importância de incentivos públicos e privados na cultura do estado.

O diretor geral explicou que a ideia de montar um espetáculo que trata sobre a vida e obra de Charles Darwin surgiu há quase 10 anos. “Sua história nos conquistou por unir duas vertentes muito potentes para a construção de uma narrativa. A primeira delas diz do seu vigor, do seu interesse em buscar e construir conhecimento por seu valor, valendo-se dos preceitos científicos em favorecer a humanidade com novos conhecimentos fundantes, importantíssimos para a compreensão da humanidade, sobre seu surgimento e formação”, informa César Ferrario.

O outro aspecto apontado pelo diretor geral do espetáculo para a escolha do tema foi o caráter de aventura que permeia toda a história de Charles Darwin. “A disposição dele em largar sua geografia, seu lar, sua segurança, entrar no navio beagle com destino à América do Sul, ao nosso território, e nesse caminho fazer toda a circunferência terrestre”.

César Ferrario explica que o sentimento de Darwin de se jogar no oceano, até então desconhecido, em busca de novas informações é um elemento muito importante para qualquer narrativa. “Somente agora com a pandemia é que realmente decidimos validar a história sobre sua contextualização. Não precisou nem de muito esforço, pois a própria realidade, a questão ameaça da humanidade mediante a presença de um vírus, já torna a história de Charles Darwin não só muito importante como absurdamente contemporânea”, comenta.

Questionado sobre o que o público mossoroense pode esperar do espetáculo, César Ferrario informou que Sinapse Darwin foi um espetáculo pensado e construído para as praças, para espaços abertos, espaços de livre acesso, espaços democráticos, e que, por isso, a sua linguagem faz jus às suas expectativas ou os seus objetivos.

“Sinapse Darwin é um espetáculo de linguagem para todas as idades, para todos os públicos, das crianças às pessoas com bem mais experiência de vida, para pessoas de todos os lugares, de todos os bairros. Vale salientar, inclusive, que a obra não prescinde do verbo oral. Então ela não depende nem mesmo do entendimento da língua. Podendo ser apresentada em outros países sem prejuízos pro seu entendimento. O público pode ir assistir Sinapse Darwin na expectativa de ver um espetáculo visual e sonoro”, informa o diretor geral.

César Ferrario é mossoroense e informa que apresentar o espetáculo na sua cidade natal é algo especial. “Ter a oportunidade de fazer na minha própria terra tem um gostinho muito especial. E, nesse caso, é mais especial ainda por poder apresentar no Colégio Diocesano que foi a minha escola. Então eh como se fosse uma oportunidade de retribuir, pois foi lá onde eu tive os meus primeiros contatos com a ciência, com a formação. Poder agora, nessa altura de vida, voltar para essa casa e retribuir com o meu trabalho, com a minha compreensão de mundo que tirei de lá é uma espécie de fechamento de um ciclo”, fala, animado, o diretor do espetáculo.

Ele fala ainda da emoção de retornar às praças e às cidades após dois anos de pandemia. Fala ainda da emoção de reencontrar artistas e de ver a alegria do público com a arte que desenvolve.

“Nós passamos dois anos reclusos. Então, poder agora sair das nossas casas, realizar o nosso ofício, poder fazer teatro, sobretudo em praça pública, nas praças públicas do interior do nosso estado, em outras regiões do nosso estado é muito especial. É muito potente, é muito forte. Estivemos em Caicó, em Assú, com praças lotadas, gente de todos os tipos de naturezas. Reencontramos amigos, outros artistas. O espetáculo nesse sentido tem adquirido um caráter celebrativo muito forte e potente, tem sido mesmo muito especial”.

César Ferrario falou ainda sobre a importância dos incentivos financeiros, provenientes dos poderes públicos e das instituições privadas. Ele informou que não só a produtora Casa de Zoé, mas todos os fazedores de cultura dependem de instituições e empresas que acreditam na importância da arte e da cultura para o estado.

Afirma ainda que sem o apoio dessas instituições e empresas não é possível fazer nada do que é feito atualmente. “Eu penso não ser possível realizar, promover o desenvolvimento de um povo, o desenvolvimento econômico sem que, conjuntamente, exista também um desenvolvimento cultural simbólico”, conclui o diretor geral do espetáculo.

Espetáculo traz história naturalista sobre a vida e obra de Charles Darwin

Sinapse Darwin remonta a história do naturalista e pesquisador de forma inusitada e nos desperta por sua disposição às diferentes geografias, pelo respeito e admiração às diversidades étnicas e pela perspicácia em estabelecer os princípios científicos para sustentação de suas afirmações. 

A linha narrativa, desobediente ao tempo e à geografia, se faz livre nos caminhos imprevisíveis do pensamento. Nessa trajetória, fatos icônicos da vida como nascimento, formação e jornada, são espelhados e transfigurados pela memória. Requisitando a imaginação, elementos de teorias contidas em “A Origem das Espécies” vão sendo gradualmente revelados a partir de um olhar sobre o cotidiano.

Com trilha sonora ao vivo e direção musical de Caio Padilha, a obra é executada sobre uma estrutura autônoma de luz, som e palco, podendo ser montada em qualquer lugar, levando o teatro para rotas além das usuais. Uma estrutura que conclama as pessoas das grandes e pequenas cidades, para que juntas, mais uma vez, se disponham ao exercício de imaginar.

O projeto Circuito Darwin é uma realização da Casa de Zoé, produção da Bobox Produções e Tayó Produções, com patrocínio do Governo do estado do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Neoenergia Cosern e o Instituto Neoenergia.

Por Amina Costa / Jornal De Fato


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem