O Diretório Nacional do PT aprovou na 4ª feira (13.abr.2022) a indicação do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin para ser vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais deste ano. A sigla também aprovou a coligação com o PSB para a eleição presidencial.

Foram 68 votos a favor e 16 contra na votação da indicação de Alckmin. Na deliberação sobre a coligação, foram 81 votos favoráveis e 3 contrários.

Agora, a indicação feita pelo PSB, novo partido de Alckmin, será referendada no encontro nacional do partido, que deve ser realizado em 4 e 5 de junho. Em seguida, precisa ser homologada em convenção nacional, ainda sem data.

Apesar da necessidade de passar por outras deliberações, a decisão política sobre a aliança com o ex-tucano foi tomada nesta 4ª feira. Isso porque os grupos internos do PT têm praticamente o mesmo peso nas demais instâncias e a ala contrária ao nome de Alckmin não tem força para reverter a aliança.

A reunião foi realizada por videoconferência e Lula, embora integre o diretório como presidente de honra do partido, não participou da reunião.

A indicação formal de seu nome se deu em 8 de abril em um evento realizado em São Paulo. Na ocasião, Lula disse ter certeza que o PT aprovaria o nome de Alckmin e que, se dedicaria “de corpo e alma” para isso. A escolha do ex-tucano representa a maior guinada à direita do PT.

Embora haja grande apoio no partido à aliança PT-PSB, uma ala relevante ainda é contrária ao nome do ex-governador por considerar que seu perfil não agrega para somar novos eleitores e pode, inclusive, atrapalhar. O grupo, no entanto, não tem força suficiente nas instâncias de decisão capaz de barrar a indicação.

Alckmin se filiou ao PSB em 23 de março para construir o caminho de sua indicação na chapa de Lula. Mas nada, porém, suplanta o fato de ele ter sido fundador do PSDB em 1988 e ter permanecido no partido até dezembro do ano passado. O ex-governador de São Paulo é um tucano histórico na alma e tem suas origens ligadas a Mario Covas (1995-2001), outro peessedebista raiz.

O PT e o PSB pretendem lançar a chapa Lula-Alckmin em 7 de maio. Petistas estão evitando chamar o evento de lançamento da pré-candidatura com receio de a Justiça Eleitoral entender o evento como campanha antecipada. Devem classificar o ato como lançamento de um movimento.

Pela manhã, o diretório nacional do PT também aprovou a federação com o PC do B e o PV. A união dos partidos já havia sido acordada em março, mas faltava passar pelo crivo interno da legenda.

Em nota, o PT comunicou chapa Lula-Alckmin. Eis o texto compartilhado pelo partido:

“PT APROVA COLIGAÇÃO COM PSB E CHAPA LULA-ALCKMIN

“O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, reunido nesta quinta-feira, 13 de abril, aprovou:

“1)  A formação de uma Federação de Partidos com o PCdoB e o PV;

“2)  As propostas de Estatuto e Carta-Programa da Federação, que serão apresentadas ao PCdoB e ao PV;

“3)  A coligação nacional com o PSB para as eleições presidenciais e o nome do ex-governador Geraldo Alckmin para compor, como candidato a vice-presidente, a chapa que será encabeçada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“ASSESSORIA DE IMPRENSA DO PT

“Segue o texto da resolução sobre chapa:

“RESOLUÇÃO SOBRE COLIGAÇÃO NACIONAL E COMPOSIÇÃO DE CHAPA COM O PSB

“A eleição presidencial deste ano colocará em disputa dois projetos muito claros: o da democracia e o do fascismo. 

“No polo democrático, é a candidatura de Lula que tem reais possibilidades de aglutinar a maioria do sociedade, em torno de um programa de enfrentamento e substituição das políticas neoliberais e privatistas, de reafirmação da soberania e das políticas de crescimento sustentável com justiça social, de resgate dos direitos e das conquistas da classe trabalhadora, de retomada dos direitos humanos, coletivos e individuais; enfim, um programa capaz de trazer paz e prosperidade para o povo brasileiro.

“Nossa política de alianças e a tática eleitoral, que já estão em construção e serão definitivamente aprovadas no Encontro Nacional de 4 e 5 de junho, apontam para a ampliação política necessária para derrotar Bolsonaro, num processo eleitoral que já se revela o mais duro desde a redemocratização do país.

“Além de consolidar a unidade do campo popular, o PT deve buscar ampliar o apoio a Lula em outros setores políticos e sociais do campo democrático.

“A coligação nacional com o PSB, que apresentou formalmente o nome do ex-governador Geraldo Alckmin para compor a chapa como candidato a Vice-Presidente de Lula, será importante passo na direção almejada. Confirmará nossa disposição de, no governo, implementar um programa de reconstrução e transformação do Brasil, ampliando nossa base social.

“Neste sentido, o Diretório Nacional indica às delegadas e aos delegados que participarão do Encontro Nacional a aprovação desta aliança e desta composição de chapa.

“Brasília, 13 de abril de 2022

“DIRETÓRIO NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES.”



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem