Se o primeiro turno das eleições presidenciais fosse hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 40% dos votos, e o presidente Jair Bolsonaro (PL) estaria em segundo lugar, com 29%. Ciro Gomes (PDT) e Sergio Moro (Podemos) teriam 9% cada. Os números são da pergunta estimulada, com os nomes apresentados previamente, da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA.

A sondagem ouviu 1.500 pessoas entre os dias 18 e 23 de março. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Em relação à última pesquisa, feita há um mês, Lula perdeu 2 pontos percentuais e Bolsonaro ganhou a mesma quantidade. Ambas mudanças são dentro da margem de erro. Com isso, a diferença entre os dois caiu de 15% para 11%.

Os dados refletem as intenções de voto em um primeiro turno no país como um todo, mas ao olhar para renda e região é possível ver onde estão os apoios ao presidente Bolsonaro e ao ex-presidente Lula.

O petista só perderia para o atual presidente em uma faixa de renda. Entre aqueles que recebem de 3 a 6 salários mínimos, Bolsonaro tem 40% das intenções de voto, contra 32% de Lula. Na parcela mais pobre do eleitorado, que ganha até um salário mínimo, é onde está a maior diferença entre os dois, neste caso em favor do ex-presidente: 46% X 19%.

Por região, Bolsonaro venceria Lula no Centro-Oeste (38% a 33%). O petista tem vantagem em relação ao atual ocupante do Palácio do Planalto em todas as outras regiões, sendo a maior distância no Nordeste, região que concentra o segundo maior colégio eleitoral do país, só atrás do Sudeste. Somados, os nove estados nordestinos dão a Lula 52% das intenções de voto, e 22% a Bolsonaro.

Ainda olhando as parcelas populacionais, entre os evangélicos, grande força do presidente Bolsonaro, ele melhorou seus indicadores. Há um mês, 35% destes eleitores votariam no atual presidente, agora são 54%. “É uma reacomodação de bolsonaristas, ou de pessoas mais favoráveis ao presidente nesse momento”, avalia Maurício Moura, fundador do IDEIA.

Em uma pergunta espontânea, em que os candidatos não são apresentados previamente aos entrevistados, Lula e Bolsonaro somam quase 60% das intenções de voto em um eventual primeiro turno.


“É algo muito substancial que mostra não só o grau de polarização, como a pouca janela que as campanhas vão ter para convencer potenciais eleitores”, afirma Maurício Moura.

Exame


1 Comentários

  1. Se pesquisa fossem verdadeiras, hoje Haddad seria presidente do Brasil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem