O governo da Rússia ordenou o deslocamento de militares para “assegurar a paz” na região do Donbass nesta 2ª feira (21.fev.2022), anunciou a agência de notícias estatal russa RT.

A decisão foi assinada no mesmo decreto em que Moscou reconheceu a independência das autoproclamadas “repúblicas populares” de Luhansk e Donetsk. Tem efeito imediato.

Segundo a RT, o presidente russo Vladimir Putin instruiu o Ministério de Relações Exteriores a estabelecer relações diplomáticas com as regiões separatistas, localizadas no leste ucraniano, logo depois o anúncio do reconhecimento formal.

O Kremlin alega que as tropas de paz visam estabelecer a pacificação na área, que não é totalmente controlada pelas lideranças separatistas e pode observar uma escalada conflituosa interna nos próximos dias. Não há informações sobre o volume de soldados em deslocamento para a área. 

O reconhecimento das independências foi requisitado mais cedo em declaração conjunta pelos líderes das regiões de Donetsk e Luhansk – respectivamente, Denis Pushilin e Leonid Pasechnik.

Os territórios declararam independência da Ucrânia em 2014 depois da eclosão de um conflito civil no país. Desde então, mais de 14.000 pessoas morreram, segundo estimativas da ONU. 

Os Acordos de Minsk (2014 e 2015) estabeleceram um cessar-fogo e delinearam um planejamento para a reintegração territorial das regiões à Ucrânia. Com o reconhecimento da independência de Luhansk e Donetsk nesta 2ª, as resoluções foram diluídas.

Donbass, para onde os soldados russos estão sendo enviados, compreende partes das regiões de Luhansk e Donetsk.

Vídeos postados no Twitter mostram o momento da suposta chegada das primeiras tropas russas ao local. 

TENSÃO NO AUGE

A situação na Ucrânia foi agravada ao longo desta 2ª feira (21.fev.).

Durante reunião do Conselho Nacional de Segurança russo, Putin disse ter feito “de tudo” em prol de uma resolução pacífica para a crise em Donbass. Líderes separatistas regionais haviam ordenado a evacuação de centenas de milhares de civis na 6ª feira (18.fev.) em direção à região russa de Rostov, a cerca de 100 km da fronteira ucraniana. Acusavam a Ucrânia de estar preparando um ataque à região, o que foi negado por Kiev. 

Na manhã de 2ª, o governo russo acusou a Ucrânia de romper a barreira de um posto de fronteira em Rostov. Dois veículos de infantaria foram destruídos e 5 suspeitos foram mortos, segundo o Kremlin.

Pela tarde, Putin foi à TV estatal declarar o reconhecimento das autoproclamadas “repúblicas populares” de Luhansk e Donetsk como Estados independentes. A decisão foi repudiada por aliados ocidentais. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chamou o ato de “uma violação flagrante do direito internacional, da integridade territorial da Ucrânia e dos acordos de Minsk”.

Em resposta ao reconhecimento da autonomia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou uma ordem executiva onde impôs restrições ao comércio de bens e serviços de pessoas e entidades dos EUA com as regiões.

A França requisitou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU para debater a questão em curso. Tanto a Rússia como os Estados Unidos são membros permanentes do organismo.

O presidente francês Emmanuel Macron mediou as negociações entre Biden e Putin no domingo (20.fev.) para a realização de uma cúpula conjunta. A ideia contou com o aval de Washington e Moscou. Porém, não há certeza se uma reunião presencial entre os líderes ainda acontecerá após a decisão russa desta 2ª.

Poder 360



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem