Voo com destino a São Paulo sairia às 4h15 desta terça-feira (4), mas até a tarde não havia decolado. Clientes reclamam de descaso da companhia aérea ao dar informações desencontradas e não oferecer hospedagem e alimentação.


Grávida e família precisaram dormir no chão por atraso em voo — Foto: Fernanda Zauli/g1


Um atraso de pelo menos 12 horas em um voo do Aeroporto de Natal para o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, gerou revolta nos passageiros. Previsto para sair às 4h15 desta terça-feira (4), o voo G31585 não havia decolado até a última atualização desta reportagem, às 17h20.

A maior parte dos passageiros permaneceu durante todo este período no Aeroporto Aluízio Alves. Eles alegaram que a Gol não deu informações precisas e nem ofereceu hospedagem e alimentação adequada aos clientes.

Em nota ao g1, a Gol disse que o atraso aconteceu "devido a uma manutenção não programada da aeronave" e que remarcou "o voo G31585, das 04h15, com origem em Natal (NAT) e destino a São Paulo/Guarulhos (GRU), para às 19h desta terça (04)".

"As equipes de manutenção da Gol tentaram diminuir o tempo previsto em solo, mas foi necessária a troca de aeronave, que seguiu de Brasília para Natal no início da tarde", informou a companhia.

Segundo a Gol, "os clientes receberam toda a assistência e estão sendo reacomodados. A GOL lamenta os transtornos causados, mas reitera que ações como estas visam garantir a total segurança, valor número 1 da companhia."


Voo da Gol está há mais de 12 horas atrasado no Aeroporto de Natal — Foto: Fernanda Zauli/g1


Passageiros reclamam de descaso

Uma das passageiras estava grávida e precisou passar o dia todo no aeroporto. Ela e a família, que chegaram a Natal em 24 de dezembro, farão uma conexão em Guarulhos para voltar para Cuiabá. Cansados, eles improvisaram uma coberta no chão do aeroporto, onde ela deitou para descansar.

"É muito descaso. Nem informação eles dão direito. Eu estou com o corpo todo doído", lamentou a secretária Ester Aparecida da Silva, de 22 anos. A família vai ficar em um hotel em Guarulhos, porque foi remanejada para um voo na quinta-feira (6) para Cuiabá.

Muitos dos passageiros, inclusive, reclamam que esse não foi o primeiro problema com a companhia aérea entre o fim de 2021 e o início de 2022.

Do Paraná, a auxiliar administrativa Fernanda Lima da Silva, de 27 anos, viajou a Natal a passeio. O voo de volta dela era na segunda-feira (3) e foi cancelado. Ela, então, foi remanejada pra esse voo pela Gol, com destino a Guarulhos e, em seguida, para Foz do Iguaçu. Ela chegou às 1h40 ao aeroporto e, mais uma vez, não conseguiu embarcar.

"Estou me sentindo uma palhaça. Me prejudicou muito. Estou perdendo dias de trabalho. Com que cara que eu vou chegar amanhã, não sei que dia, no meu serviço e explicar pra minha chefe isso? A gente chega lá, eles falam uma coisa, depois outra. Eles acham que a gente é palhaço", reclamou .


Fernanda não consegue retornar para casa, no Paraná. Voo da gol atrasou mais de 12 horas — Foto: Fernanda Zauli/g1


A empresária Joara Teixeira Magalhães, de 36 anos, também teve problemas na ida para Natal, quando o voo deu overbooking e ela, o marido e a filha de 7 anos perderam a ceia de Natal no hotel. Agora, sofre mais uma vez para voltar para casa.

"Tive que pagar hotel do meu bolso pq estou com minha filha de sete anos. A Gol não ofereceu nada, alimentação, hotel, nada. Isso é um absurdo", lamentou.


Família teve problemas nos voos de ida e volta para casa. — Foto: Fernanda Zauli/g1


Por conta do atraso, confusões no aeroporto foram registradas nas proximidades dos guichês da Gol e a policiais federais precisaram conversar com os passageiros.

"A gente chegou por volta das 2h. O embarque era previsto pra 3h35 e o voo pra 4h15. Às 4h, eles avisaram que não ia mais ter o voo. Depois 'escantearam' a gente pro portão 1 pra gente não fazer um barraco ali no meio do aeroporto. Não ofereceram hotel, alimentação, só o voucher de transporte", reclamou o empresário Ricardo Ramos Catarino, de 36 anos.


Passageiros buscam informações em guichê da Gol no Aeroporto de Natal — Foto: Fernanda Zauli/g1


Quem também reclamou foi do descaso da companhia aérea foi a aposentada Agmar Gomes da Rocha, de 60 anos, que viajou para Natal a passeio. Ela é diabética e precisa se alimentar em horários regrados. "Estou aqui desde 2h da manhã, falaram que não tinha o voo. Disseram que não iam pagar hotel. O problema, segundo eles, foi um problema numa peça. Eu sou diabética e eles ofereceram um café da manhã com chocolate e goiabinha. Coisas que eu não posso comer", reclamou.


Aposentada que é diabética reclamou da falta de organização no voo — Foto: Fernanda Zauli/g1


"Eles mandaram eu comprar o café da manhã e depois pedir ressarcimento. Isso é um absurdo, uma falta de respeito. Eu sou diabética, tenho que comer de três em três horas. Estou aqui já mais de 12 horas. Só tomei café e almocei e os dois eu pagando pra depois pedir ressarcimento. É uma falta de respeito".


Produto dado pela companhia aérea para a aposentada que é diabética — Foto: Fernanda Zauli/g1


O leiturista Jefferson dos Santos, de 33 anos, que também visitou Natal neste fim de ano, é outro que precisou passar a noite e praticamente todo o dia com a família no aeroporto.

"Estou constrangido. Eu vim viajar com minha família e eles não falam nada. Estou desde 1h30 da manhã aqui. Eles falando que deu problema no voo e sem previsão até agora", lamentou.


Leiturista reclama da espera no aeroporto para voltar pra casa — Foto: Fernanda Zauli/g1 


*G1

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem