GOVERNO

640x128

 

Professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) entraram em greve nesta segunda-feira (22), segundo anunciou o sindicato da categoria. Os docentes se unem aos técnicos-administrativos da instituição, que estão paralisados desde 14 de março.

A greve dos professores foi aprovada por meio de um plebiscito realizado pelo sindicato na semana passada, e que teve mais de 60% dos votos favoráveis à paralisação. A instituição conta com cerca de 2,5 mil docentes.

A greve pode afetar até 52,7 mil estudantes de graduação, pós-graduação e de cursos técnicos oferecidos pela UFRN.

Mais de 50 universidades e quase 80 institutos federais estão em greve no país. Entre as instituição, também estão o IFRN e a Ufersa, do Rio Grande do Norte. No caso da Ufersa, apenas os técnicos suspenderam o trabalho.

Segundo o sindicato Adurn, os professores da UFRN reivindicam:

  • Reajuste linear para os servidores públicos federais de 7,06% em 2024, 7,06% em 2025 e 7,06% em 2026, totalizando um aumento de 22,8%.
  • Reestruturação das carreiras do magistério superior e ensino básico, técnico e tecnológico.
  • Recomposição do orçamento das instituições federais de ensino.

O reitor José Daniel Diniz Melo realizou uma reunião com gestores da universidade, na última sexta-feira (19), para discutir as atividades da instituição durante a greve de servidores.

Ao contrário do IFRN, que suspendeu o calendário de aulas, a UFRN definiu que, a princípio, não vai cancelar o calendário universitário.

"Nesse sentido, as atividades administrativas e acadêmicas permanecem, respeitando a decisão de cada técnico e docente pela adesão ou não à greve", informou em nota.

Possíveis alterações no calendário serão discutidas após a fim da greve, segundo a instituição.

A UFRN ainda informou que a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp) criou uma Comissão Interna de Mediação Organizacional durante a paralisação, com o objetivo de manter diálogo permanente com os servidores para dar encaminhamentos durante o período de greve.

G1/RN


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA

GOVERNO