GOVERNO

640x128
Foto: Valter Campanato

A operação de recaptura dos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, Deibson Cabral Nascimento e Rogério Mendonça, custaram aos Governo Federal mais de R$ 2,3 milhões. Os dados são compilados do Ministério da Justiça e Polícia Federal e constam apenas valores entre fevereiro e março.

As buscas chegaram ao fim após 50 dias. No entanto, o ministério disponibilizou apenas os números entre 15 de fevereiro (dia seguinte à fuga) até 19 de março, faltando assim os valores até abril. Já a PF, os dados são do dia 15 de fevereiro até 27 de março, quando as buscas em Baraúna/Mossoró foram encerradas.

Não foram contabilizados os gastos com PRF e Força Nacional, porém, os gastos com servidores foi computado.

No Ministério da Justiça, foram cerca de R$ 1,6 milhões gastos, em valores referentes a 100 agentes contratados extraordinariamente para a operação e funcionários do ministério e secretarias que foram deslocadas para o RN.

De acordo com o divulgado, os valores que incidem na soma total são de diárias e passagem de servidores, combustível e diárias dos agentes:

R$ 1.202.366,43 em diárias de agentes;

R$ 166.774,32 em abastecimento de viaturas;

R$ 130.845,60 em passagens aéreas;

R$ 103.914,44 em planos de saúde;

Já a PF gastou quase R$ 700 mil. Os valores contabilizados de 15 de fevereiro até 27 de março, quando a procura no local foi finalizada, estão na casa dos R$ 670 mil. Após as buscas em Baraúna e Mossoró foram finalizadas, o trabalho da polícia passou a ser feito por agentes da inteligência. Os gastos estão divididos entre superintendência regional e os investimentos globais, deslocados para a operação.

R$ 391.199,31 da Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte;

R$ 273.852,93 da Superintendência Nacional da PF;

R$ 4.650 em combustível de helicóptero;

Os dados e informações foram divulgados pelo UOL.

Tribuna do Norte 



Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA

GOVERNO