GOVERNO

640x128

 

O apresentador e pré-candidato a prefeito de Parnamirim, Salatiel de Souza (União Brasil), foi condenado ao pagamento de indenização por danos morais após ser processado por um representante de uma empresa que faz merchandising em seu programa, na TV Tropical. Conforme o processo, o réu fez piada com a orientação sexual do autor da ação.

O representante é identificado na ação como Vigtongleuson Barreto Dantas da Silva. Ele apresenta diariamente, durante o programa comandado por Salatiel, os produtos e promoções de uma empresa que comercializa peças automotivas. De acordo com a ação, em uma dessas idas de Vigton ao estúdio da TV, Salatiel teria perguntado: “a moça já chegou?”, referindo-se especificamente ao autor.

“Oportuno mencionar que o réu, em seguida e no mesmo vídeo, indubitavelmente se refere novamente ao demandante, pois na sequência diz: ‘a moça de auri?’, e por fim arremata em tom de zombaria se dirigindo à equipe presente no estúdio: ‘é, é uma moça’”, explica o juiz na sentença.

O episódio teria acontecido enquanto o programa estava prestes a começar. Como o jornal é transmitido ao vivo pelas redes sociais, a fala de Salatiel foi gravada e ouvida pelos espectadores do streaming, uma vez que a transmissão pela internet começa antes da programação na TV aberta. Desse modo, quem estava online ouviu o comentário do apresentador, o que gerou desconforto do autor da ação e a condenação do apresentador.

Conforme a sentença, a conduta do jornalista “fere diretamente a honra subjetiva do requerente, ou seja, atinge frontalmente seus valores morais, concernentes à boa reputação e ao crédito que lhe é atribuído enquanto pessoa humana e profissional de marketing atuante”.

Em outro trecho da sentença o magistrado chega caracterizar a atitude de Salatiel como “homofóbica” e condena o tratamento dado pelo apresentador ao autor da ação. “Muito embora a atitude homofóbica do promovido pareça, para ele, naturalizada, não deve ser tratada com indiferença. O modo pelo qual o requerido se refere ao autor revela diminuição de sua dignidade, ao fazer piada com sua orientação sexual para ridicularizá-lo diante da equipe do programa e de outros espectadores que acompanhavam a transmissão do jornalístico pelo Youtube”.

O processo tramita no 3º Juizado Especial Cível da Comarca de Natal e resultou na condenação de Salatiel de Souza, no final de 2022, ao pagamento de indenização no valor de R$ 4.000. A defesa do apresentador recorreu e o processo segue tramitando na justiça.

Apresentador e pré-candidato nega atitude homofóbica

Apesar da condenação pelo juizado especial, em contato com o Agora RN Salatiel negou qualquer atitude homofóbica em relação ao profissional que faz o merchandising. Vigtongleuson Barreto, inclusive, segue fazendo seu trabalho diariamente no programa apresentado pelo pré-candidato a prefeito de Parnamirim.

Segundo consta nos autos processuais, após o ocorrido Salatiel chegou a ligar para o demandado dizendo: “eu tenho amigos gays, não tenho nada contra”. A atitude, no entanto, foi classificada pelo juiz como um “subterfúgio retórico equivalente à famosa afirmação ‘quem me conhece sabe’, muito utilizado para desviar do foco do fato atentatório à dignidade do ofendido”.

Salatiel explica que o motivo de ele ter perguntado se “a moça chegou” foi devido ao fato de, durante cinco anos, a empresa ter enviado uma mulher para fazer o comercial. No entanto, como a representante ficou grávida, a ida dela para o estúdio ficou incerta, de modo que durante alguns dias ela participava, mas por vezes a empresa enviava outra pessoa.

“Não poderia deixar essa situação passar impune”, afirma vítima

No canal do Youtube da TV é possível assistir a vários vídeos em que o representante comercial segue interagindo com Salatiel durante a participação no programa. Na edição da última sexta-feira 05, por exemplo, ao ser chamado para apresentar as ofertas, Barreto respondeu: “boa noite, grande amigo Salatiel”.

Vigtongleuson Barreto explica que atualmente a participação dele no programa é gravada com antecedência e veiculada durante a programação. Ele afirma que no dia do ocorrido ele organizou a bancada com os produtos e ficou na sala de espera aguardando o momento de ser chamado ao vivo. Nesse momento o representante comercial acessou o Instagram e ficou acompanhando a transmissão. Ele afirma que Salatiel já havia lhe visto no estúdio.

No momento em que estava na sala de espera, Vigtongleuson viu através das redes sociais quando um integrante da produção perguntou a Salatiel se quem iria apresentar o merchandising seria a moça que fazia o trabalho antigamente. Foi quando, segundo Vigtongleuson, o âncora respondeu: “Não, mas é uma também”, o que deixou o profissional ofendido.

Agora RN


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA

GOVERNO