Escrita

Escrita banner

 


Um dos maiores sindicatos da Itália fez um protesto no sábado (12) em frente ao aeroporto de Pisa, após receber denúncias de alguns funcionários de que os voos humanitários destinados à Ucrânia transportavam armas e munições e não alimentos e medicamentos.

Vários trabalhadores do aeroporto Galileu Galilei se recusaram a carregar um dos voos anunciados como transporte de ajuda humanitária à Ucrânia. As caixas não continham alimentos e medicamentos, mas sim armas, munições e explosivos, disse em comunicado feito na segunda-feira (14) a Unione Sindacale di Base (USB).

"Denunciamos firmemente essa clara falsificação, que cinicamente usa a ajuda humanitária como cobertura para alimentar a guerra na Ucrânia", aponta o USB.

O sindicato disse que os trabalhadores se recusaram a carregar os equipamentos militares já que isso levaria à morte de seus colegas na Ucrânia, ou seja, aqueles que trabalham nos aeroportos militares que têm sido alvo de mísseis russos.

Francesca Donato, deputada italiana do Parlamento Europeu, comentou a declaração do sindicato apelando ao governo do país para "esclarecer" o que está acontecendo.

Enquanto isso, na terça-feira (15) os trabalhadores portuários de Livorno se juntaram ao protesto apoiando os seus colegas do aeroporto por defenderem os mesmos princípios.

"Estamos junto da população da Ucrânia, de Donbass e da Rússia e não queremos ser cúmplices neste conflito", disse a divisão do porto de Livorno em comunicado do USB.

O sindicato também exortou todos os trabalhadores a se recusarem a carregar armas e explosivos, a fim de iniciar um cessar-fogo imediato e conduzir a negociações de paz para pôr fim ao conflito na Ucrânia.

Sputnik Brasil




Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

INDEPENDÊNCIA