O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, disse na 3ª feira (22.mar.2022) que a Rússia não descarta o uso de armas nucleares em caso de “ameaça existencial” ao país. Peskov deu a declaração durante entrevista à jornalista Christiane Amanpour, da CNN International. 

“Temos um conceito de segurança doméstica e ela é pública, você pode ler sobre todos os motivos pelos quais armas nucleares podem ser usadas [pela Rússia]. Então, se é uma ameaça existencial para o nosso país, então [o arsenal nuclear] pode ser usado de acordo com esse conceito.”

A ameaça de uma escala nuclear foi posta na mesa pelo presidente russo Vladimir Putin no início de março, quando anunciou a realização de exercícios com submarinos nucleares e mísseis intercontinentais posicionados no Mar de Barents e na Sibéria após Moscou colocar suas forças nucleares em alerta no final de fevereiro. 

O Exército russo disse em nota que parte de seus submarinos nucleares estavam envolvidos em exercícios para treinamento de manobras “em condições de tempestade” e negou associação com a ordem de mobilização nuclear de Putin. 

Em 9 de março, o presidente ucraniano disse que o movimento era um “blefe” da Rússia para causar pânico entre aliados ocidentais e fortalecer a posição russa na guerra. “Uma coisa é ser um assassino. Outra é cometer suicídio”, disse Zelensky em entrevista ao jornal alemão Die Zeit.

Juntos, a Rússia e os Estados Unidos detêm 89,7% das armas nucleares do mundo. No total, os 2 países concentram 11.527 ogivas nucleares, sendo 5.977 de Washington e 5.550 de Moscou. 

Em janeiro de 2022, a Rússia, os Estados Unidos e a China, França, Irlanda do Norte e Reino Unido assinaram uma declaração conjunta para prevenir uma possível guerra nuclear e evitar corridas armamentistas. Os países reiteram que esse tipo de guerra “não pode ser vencida” e “nunca deve ser travada”.

Poder 360


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem