O ex-ministro de Estado e ex-deputado federal, Henrique Eduardo Alves anunciou seu desligamento do MDB, partido pelo qual militou por 52 anos e exerceu 11 mandados parlamentares, e confirmou o novo rumo partidário. Se filia ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Em carta política, divulgada na quarta-feira (30), em que confirma sua saída do MDB, o ex-deputado aponta um distanciamento da direção estadual da legenda em relação a ele, o que considera “um estranho e inesperado gesto”.

“A direção estadual do MDB não reconheceu os meus longos anos de militância no partido. Passou a não me ver, não me ouvir, não me falar. Não me querer...!”, afirmou Henrique Eduardo, que elegeu-se deputado a primeira vez em 1970, substituindo o pai Aluízio Alves, cassado pela Ditadura Militar em 07 de fevereiro de  1969. Henrique informou que vai se filiar ao PSB para disputar as eleições proporcionais deste ano.

Sem mandato eletivo desde 2014, quando tentou se eleger governador do Rio Grande do Norte, Henrique Eduardo comunicou sua desfiliação do MDB ao presidente nacional do partido, deputado federal Baleia Rossi (SP) e ao ex-presidente da República, Michel Temer. Inicialmente, Henrique Eduardo  informou, na carta, o começo difícil no MDB, aos 21 anos: “Aprendi cedo, com meu pai, que a luta é constante e a esperança não morre...”

“Queria, por um milagre, que todos vocês pudessem me ver agora, escrevendo essas palavras. Uma emoção intensa, imensa. Um filme passando diante de meus olhos, em câmera lenta… MDB, a minha história. 1966, 56 anos de vida do MDB. 1970, início do meu caminhar. Naqueles tempos difíceis, eu, um jovem de 21 anos, segurava a bandeira verde do MDB, com a coragem do mundo… porque aprendi cedo, com meu pai, que a luta é constante e a esperança não morre… Nunca estive só, pois sempre esteve ao meu lado o bacurau solidário, polegar para cima, camisa verde, o abraço, o aconchego. GRATIDÃO!!!!”, afirmou Henrique Eduardo na carta.

O ex-deputado lembrou os momentos de luta e conquistas  no partido. “Construímos, ao lado de tantos companheiros, de ontem e de hoje, uma casa linda, aconchegante, fraterna e democrática. Nesse caminhar de lutas e ideais, o reconhecimento do meu Estado, que na minha décima primeira eleição, em 2010, me presenteou com a maior votação da minha história: 191 mil votos!. Nessa estrada de muito trabalho e serviços prestados, sofri também derrotas, percalços e provações, mas sem jamais esquecer minha origem e fortaleza: o ninho bacurau”, lembrou o ex-deputado.

Ele também expressou os momentos de sofrimentos com denúncias de corrupção e sua absolvição na Justiça: “Até que Deus, com sua bênção, me deu a maior vitória no Judiciário nacional: a absolvição, por unanimidade, de uma acusação absurda. Justiça foi feita! Do Brasil, recebi o parabéns respeitoso. Do Rio Grande do Norte, o carinho e a solidariedade pelo reconhecimento da minha inocência. Bacurau verdadeiro, livre, enfim, para voar…”, disse Henrique Eduardo, que já presidiu a Câmara dos Deputados entre 2013 e 2015, e presidiu o MDB de 2015 a 2017.

Henrique Eduardo agradeceu aos convites que recebeu de cinco partidos políticos para ingressar em suas fileiras: Cidadania, Republicanos, Avante, PSB e PL, que “demonstram respeito pela nossa história e correção”, e afirmou ainda que “infelizmente, aquela casa que construímos (referindo-se ao MDB)  se apequenou. Não falo de números, falo de sentimentos”. Conclui afirmando que sai do partido para “buscar meus caminhos de paz, porque tem muito Rio Grande do Norte pela frente”. 

A direção estadual do MDB informou, por intermédio de sua assessoria de imprensa, que não vai se pronunciar sobre a saída de Henrique Eduardo da legenda. Tudo o que o partido tinha a dizer foi dito na nota oficial divulgada em 22 de março, assinada pelo presidente da Executiva Estadual, deputado federal Walter Alves e pelo presidente de honra, ex-senador e ex-governador Garibaldi Filho.

Nota, à época, o diretório estadual afirmou que não teriam fechado as portas do MDB para Henrique Eduardo, que, “em respeito à democracia e pluralidade, o partido sempre esteve aberto à pré-candidatura de qualquer cidadão que esteja alinhado às diretrizes partidárias”. 

O presidente estadual do PSB, Rafael  Motta, disse que o partido trabalha com a possibilidade de eleger dois deputados federais nas eleições de outubro. Rafael  Motta afirmou que falava em nome da direção nacional do partido, que “reconhece a importância fundamental” do ex-deputado Henrique Eduardo na politica não só do Rio Grande do Norte, mas do País, sua carreira vitoriosa e história de luta.

“Estamos pronto para recebê-lo, estendendo um tapete verde e outro vermelho”, disse Rafael Motta, que considera uma honra ter Henrique Eduardo no PSB por sua história de “moralidade e idoneidade” na politica brasileira.

Tribuna do Norte


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem