Banner 1


 A Secretaria Especial de Articulação Social do governo federal desmarcou a reunião da próxima 5ª feira (28.out.2021) com a Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas e outros representantes dos caminhoneiros. A categoria tem greve marcada para 1º de novembro caso o Planalto não atenda reivindicações.

A informação foi dada pelo presidente da Frente, deputado Nereu Crispim (PSL-RS). Segundo o congressista, não há previsão de novos encontros.

“Em razão das notícias veiculadas na imprensa de que a reunião seria realizada com a participação de Ministros de Estado, o que não se coaduna com o convite enviado, esta Secretaria Especial de Articulação Social informa o cancelamento da reunião do dia 28”, lê-se em e-mail enviado a Crispim por Kátia Maria Veras Braga, chefe de gabinete do órgão que compõe a Secretaria de Governo.

Crispim declarou ser o deputado mais leal ao governo em votações de pautas econômicas. Mas afirmou que o Planalto está “encomendando” a paralisação de 1º de novembro.

Em meados de outubro, a CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística), o CNTRC (Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas) e a Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores) decidiram pela paralisação. Deram 15 dias para o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atender as demandas.

“O governo Bolsonaro teve o prazo de 3 anos para melhorar a vida do transportador autônomo e nada foi cumprido”, declarou Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da CNTTL, na época.

Entre as reivindicações estão o estabelecimento e cumprimento de um frete mínimo, redução do preço do diesel e revisão da política de preços da Petrobras.

Bolsonaro prometeu pagar um auxílio de R$ 400 mensais para 750 mil caminhoneiros devido a alta do preço do diesel. O benefício deve custar R$ 3,8 bilhões aos cofres públicos. Para Crispim, o valor representa uma “esmola” para a categoria.

De acordo com o parlamentar, os caminhoneiros não desejam mais dialogar com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, principal interlocutor da categoria. A recusa, diz Crispim, está relacionada ao fato do ministro não ter atendido nenhuma demanda da classe desde 2018.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem