Banner 1

 


A governadora professora Fátima Bezerra determinou, na quarta-feira (13), a criação de um grupo de trabalho, coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), para discutir a proposta de implantação de um Polo Cloroquímico no Estado. A proposta foi idealizada pelo economista e o consultor do Conselho Regional de Economia, Carlos Alberto Duarte Gomes, que fez explanação na manhã desta quarta-feira no auditório da Governadoria, em Natal.

De acordo com a proposta, os municípios de Mossoró, Macau, Guamaré e Porto do Mangue viriam abrigar investimentos privados e instalações industriais para aproveitamento dos recursos naturais da região — sal e águas mães, minérios e petróleo —, em sete núcleos de produção: soda/cloro, magnésio, bromo, barrilha, ração mineral, fertilizantes, petroquímica. O projeto necessita de uma alternativa de modal ferroviário para transportes acessando os municípios de Areia Branca – Mossoró – Açu – Jucurutu (jazidas de minério de ferro) – Afonso Bezerra – Macau – Guamaré – Natal – São Gonçalo do Amarante, tendo como atracador o Porto do Mangue.

Um Polo Cloroquímico e Industrial tem condições de produzir soda-cloro, ácido clorídrico, cloreto de vinila (PVC e CPVC), hipoclorito de sódio, cloropropeno (borracha Neoprene), cloroetanol (poliéster, acrilonitrila), cloropropanol, dicloroetano, hipoclorito de cálcio, percloroetileno, tricoloetileno, cloreto de alumínio, dióxido de cloro.

Esses insumos são utilizados por diversos setores da indústria como cerveja, xarope de milho, refino de açúcar, smartfones, fibra ótica, baterias, estabilizadores para plásticos, aceleradores de borracha, equipamentos médicos, tubulação, acessórios sanitários, isolamento elétrico, desinfetantes, mangueiras e vários outros.

O grupo de trabalho será formado pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado, prefeitos e secretários dos municípios citados, representantes da Federação das Indústrias do RN (Fiern) idealizadores da proposta e possíveis investidores. "Porto, ferrovia, estradas, são infraestrutura necessária para viabilizar empreendimentos como esse. O Governo precisa de embasamento do ponto de vista técnico e econômico. Nosso Governo é do diálogo, responsável é transparente. Por isso a criação do grupo de trabalho para dar andamento aos estudos envolvendo representante das partes", afirmou Fátima Bezerra.



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem