Banner 1

 


Uma advogada foi levada a delegacia após ter sido flagrada se comunicando através de um bilhete com um presidiário, na segunda-feira (12). O papel continha orientações sobre tráfico de drogas, que seriam destinadas a familiares do homem.

Segundo relato policial, a profissional estaria em um parlatório, com um detento do presídio Rogério Coutinho Madruga - conhecido popularmente como Pavilhão 5 de Alcaçuz - em Nísia Floresta, na Grande Natal, quando os policiais penais flagraram o homem mostrando um bilhete para ela.

No papel, havia orientações sobre o tráfico de drogas e inclusive para entrada de entorpecentes no presídio dentro de tubos de creme dental.

O preso - um homem de 33 anos apontado como líder do tráfico de drogas em um bairro da Zona Sul de Natal - ainda chegou a rasgar o bilhete, que foi "remontado" pela polícia.

A advogada foi detida pelos policiais penais na própria sala dos advogados no presídio e levada à delegacia de plantão da Zona Sul de Natal.

A Ordem dos Advogados do Brasil acompanhou o caso. Uma equipe da fiscalização das prerrogativas da advocacia e outros colegas de profissão foram à delegacia na noite de segunda-feira (12).

Em nota, a OAB disse que não há evidência concreta de cometimento de crime, entrega ou não do bilhete e que está monitorando o ocorrido.

A delegada de plantão não autuou a advogada em flagrante, mas ela assinou um termo e vai responder a uma ação. Os policiais penais também foram ouvidos.

Segundo a presidente do sindicato dos policiais penais, Vilma Batista, a comunicação externa dos detentos por meio dos advogados pode atrapalhar a estabilidade e segurança dos presídios. "Isso é inadmissível e os policiais penais não vão aceitar", afirmou.

Na saída da delegacia, a advogada foi cercada e coberta pelos colegas para evitar ser filmada. Houve confusão entre os advogados e jornalistas que cobriam os fatos, inclusive com agressões físicas e palavrões. Uma equipe de jornalismo registrou um boletim de ocorrência em seguida.

A advogada foi liberada depois de prestar depoimento, mas um inquérito foi aberto. O caso será investigado pela Delegacia de Nísia Floreste, onde fica localizado o presídio.

G1/RN





Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem