Banner 1

 


Três pessoas morreram depois de serem tratadas para a covid-19 com nebulização de hidroxicloroquina na cidade de Camaquã, no Rio Grande do Sul. As mortes ainda estão sendo investigadas e não há confirmação de ligação direta com o tratamento.

A nebulização de hidroxicloroquina é um procedimento médico cuja eficácia contra a covid-19 não foi cientificamente comprovada. As vítimas estavam internadas em UTIs (unidades de terapia intensiva) do Hospital Nossa Senhora Aparecida e morreram de 2ª feira (22.mar.2021) a 4ª feira (24.mar). A direção do hospital afirma que o tratamento não faz parte do protocolo de atendimento aos infectados com o coronavírus.

Nos 3 casos, a médica que realizou o procedimento foi a mesma: Eliane Scherer. Ela foi afastada pelo hospital e uma investigação foi aberta no Cremers (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul). A punição mais severa que o conselho pode impor é a cassação do registro médico, o que impediria a prática profissional. A médica também foi denunciada ao Ministério Público.

O Poder360 entrou em contato com Eliane Scherer. Ela preferiu não se manifestar sobre o caso.

O diretor técnico do hospital, Tiago Bonilha, afirmou que existe outro paciente que foi submetido ao tratamento. Ele não deu detalhes sobre esse 4º paciente. Mas, em entrevista ao portal G1, informou que depois da nebulização, 3 dos pacientes apresentaram taquicardia ou arritmias.

“Não tenho como atribuir melhora ou piora diretamente ao procedimento, mas de fato, o desfecho final de 3 pacientes submetidos à terapia foi óbito. Todos eles têm documentado em prontuário taquicardia ou arritmias algumas horas após receberem a nebulização“, afirmou Bonilha.

O diretor disse ainda que, entre as vítimas, duas já estavam em estado grave quando receberam o tratamento. Apresentavam insuficiência respiratória, com necessidade de ventilação mecânica. Um deles estava estável, recebia oxigênio com máscara e apresentava boa evolução.

AUTORIZAÇÃO DA JUSTIÇA

A cloroquina e a hidroxicloroquina não têm eficácia comprovada contra a covid-19. Para utilizar o medicamento em forma de nebulização, duas pessoas foram à Justiça no Rio Grande do Sul no final de semana anterior às mortes.

Um dos pedidos foi concedido com a condição de que a médica fosse a responsável por todo o tratamento e a família assinasse um termo reconhecendo que o hospital não tinha responsabilidade sobre o tratamento. O termo jurídico explicava que a hidroxicloroquina e a sua nebulização não tinham nenhuma comprovação científica de eficácia ou segurança. Também responsabilizava a médica e as famílias pelas consequências. A família e Scherer aceitaram o acordo.

Depois disso, o hospital estendeu as mesmas condições a outros pacientes que tinham pedido o tratamento. O hospital afirmou que não aderiu ao tratamento como um procedimento padrão para diagnosticados com covid-19. Bonilha disse que não encontrou referências seguras para esse tipo de terapia, por isso escolheu não adotá-la.

Em nota ao G1, o Hospital Nossa Senhora Aparecida disse que não pode afirmar que o motivo das mortes foi a inalação de hidroxicloroquina, por ser um tratamento sem comprovação científica. Mas diz também que não foi observada nenhuma melhora nos pacientes que realizaram a nebulização.

“Os indícios sugerem que está contribuindo para a piora, porque todos os casos (de óbito) apresentaram reações adversas após o procedimento“, afirma a nota.

Poder 360




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem