Banner 1

 


O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), se manifestou sobre a possível filiação do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ao PL (Partido Liberal), ao qual faz parte. O congressista disse que a situação é “absolutamente incômoda” e que vai esperar o desenrolar dos fatos para “para avaliar o que fazer“, indicando possível desfiliação da sigla.

“Eu não tenho como negar que é uma condição absolutamente incômoda para mim. Vou ter que esperar a confirmação disso para avaliar o que fazer”, disse Ramos em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, na última 2ª feira (8.nov.2021).

“Eu também não tenho dúvida de que o presidente da República é mais importante para o partido do que um deputado federal do Amazonas. Mas, por outro lado, não tenho dúvida de que o futuro do país é mais importante do que o projeto de qualquer partido”, criticou.

O deputado disse também que “não estará no mesmo palanque” de Bolsonaro, indicando que deixará o PL caso a filiação do presidente se consume.

“O que está em jogo não é a minha reeleição, isso é muito menor do que termos um país capaz de superar a tragédia de 600 mil mortos, de 15 milhões de desempregados, de 20 milhões com fome, de 120 milhões com insegurança alimentar, de inflação a 10,5% projetada, de juros a longo prazo em 12%. Não posso achar que um presidente desse é bom para o país. Não posso trocar a facilidade da minha eleição pelo desastre do país que escolhi como meu”, concluiu.

Pouco antes da sua participação no programa de TV, o deputado escreveu sobre o seu incômodo no Twitter. Ele disse que só se pronunciará no “momento oportuno“.

Ramos costuma se posicionar publicamente contra pautas defendidas pelo governo Bolsonaro. Ele já disse, por exemplo, que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios é “malabarismo contábil pra furar o teto“; repudiou o ataque dos seguranças da presidência da República a jornalistas durante o G20, em Roma; criticou a atuação do governo na pandemia diversas vezes; defendeu o impeachment de Bolsonaro, entre outras discórdias.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem