Banner 1

 

No último dia de leilão do 5G , nesta 6ª feira (5.nov.2021), Vivo , Claro e TIM mantiveram o favoritismo do dia anterior e arremataram metade dos lotes nacionais de alta capacidade (26 GHz), voltados principalmente para a automação industrial e o agronegócio.

Claro levou os lotes G1 e G2 pelo valor total de R$ 105,6 milhões. E a Vivo, de G3 a G5 pelo preço de R$ 158,4 milhões. Os lotes G6 a G10 não tiveram garantias de manutenção de preços propostos e, por isso, não receberam oferta de nenhuma empresa.

A TIM, até o momento, levou um lote nacional, por R$ 27 milhões, e 3 regionais, que totalizaram R$ 31 milhões. na Região Sul e nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas e Espírito Santo.

Esses lotes, de alta capacidade de transmissão de dados, são os de maior interesse principalmente do agronegócio porque, com a nova tecnologia, máquinas de cultivo, irrigação, plantio e automação poderão ser comandadas através de celulares e aperfeiçoar a precisão do uso. Todas as vencedoras dos lotes G também deverão levar, em contrapartida, internet 5G a escolas públicas, da educação básica, em todo país.

Segundo o Gerente de Pesquisa e Consultoria de Telecomunicação da IDC Brasil, Luciano Saboia, essa “baixa” competição pelos lotes já era esperada. Isso porque essas faixas do lote G, chamadas de milimiter wave, são capazes de atingir o auge do desempenho, mas são facilmente perturbadas por fatores ambientais e não adentram a ambientes fechados.

“Então, é natural que, a princípio, a atratividade por essas faixas seja menor nesse momento, em que o 5G está iniciando. No futuro, elas serão mais utilizadas. Mas, para isso, precisa haver demanda. Então, consequentemente, há menor atratividade. Isso já era esperado”, disse Saboia.

Nos lotes H (regionais), a Tim levou 3 até o momento: H19, H25 e H31. O valor total somado foi de R$ 31 milhões. A empresa levará 5G em larga escala, com aplicação em automação industrial e no agronegócio nas seguintes regiões: Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e parte do Mato Grosso. A Vivo estava apta a apresentar propostas para o lote H, mas abdicou de apresentar em todos os blocos regionais até agora.

Ainda entre os lotes regionais de alta capacidade, a Algar Telecom arrematou os lotes H37 a H41, todos com coberturas para o Sul de Minas Gerais e trechos dos Estados do Mato Grosso e de São Paulo. Pelos 5 lotes, a operadora pagou um valor total de outorga de R$ 5,77 milhões. E o lote H42, para essas mesmas regiões, foi arrematado pela FlyLink por R$ 900 mil.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem