Banner 1

 


O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 1,25% em outubro. Esse é o maior percentual para o mês desde 2002, quando marcou 1,31%.

Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (10.nov.2021) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Segundo o instituto, a inflação oficial do país chegou a 8,24% no acumulado do ano. Em 12 meses, a taxa subiu de 10,25% em setembro para 10,67% em outubro. Esse é o maior patamar desde janeiro de 2016, quando chegou a 10,71%.

O resultado frustrou a expectativa do Relatório de Inflação do BC (Banco Central), que indicava uma desaceleração do IPCA no acumulado de 12 meses em outubro. Segundo o documento, o pico do IPCA no ano seria em setembro.

A autoridade monetária estimou inflação de 8,5% no fim de 2021. Já o mercado financeiro, segundo o Boletim Focus, espera o índice de preços aos 9,33% neste ano.

O Copom (Comitê de Política Monetária) –formado pelos diretores do Banco Central– aumentou a taxa básica, a Selic, para 7,75% ao ano para controlar a inflação. Os juros começaram o ano aos 2%.

A meta do índice de preços para 2021 é de 3,75%. O BC reconhece que não será possível cumprir o objetivo. Para o ano que vem, a meta cai para 3,5%.

Os analistas também estimam que a Selic vá subir para 9,25% ao ano em dezembro de 2021.

INFLAÇÃO DE OUTUBRO

De acordo com o IBGE, todos os 9 grupos pesquisados registraram alta no mês. O maior impacto foi de Transportes, que subiu 2,62% no mês e contribuiu com uma alta de 0,55 ponto percentual no índice.

Os combustíveis tiveram alta de 3,21% em outubro contra setembro:

  • gasolina (+3,10%);
  • diesel (+5,77%);
  • etanol (+3,54%).

A gasolina acumula altas de 38,29% no ano e de 42,72% nos últimos 12 meses.

O 2º maior impacto foi do grupo Alimentação e bebidas, que subiu 1,17% no mês e aumentou o IPCA em 0,24 ponto percentual.

Eis o resultado por grupo pesquisado em setembro:

  • alimentação e bebidas (+1,17%);
  • habitação (1,04%);
  • artigos de residência (+1,27%);
  • vestuário (+1,80%);
  • transportes (+2,62%);
  • saúde e cuidados pessoais (+0,39%);
  • despesas pessoais (+0,75%);
  • educação (+0,06%);
  • comunicação (+0,54%).
Poder 360

Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem