Banner 1

 



O coordenador de Análises Criminais da Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, Ivênio Hermes, foi preso na noite de segunda-feira (9) por atirar contra uma família em uma casa na avenida Praia de Pirangi, em Ponta Negra, Zona Sul de Natal.

Ele foi autuado por disparo de arma de fogo e ameaça.

A confusão aconteceu com um dos vizinhos do coordenador. O uruguaio Pablo Sanchez é instrutor de surf, casado e pai de três filhos, de 13 anos, 9 anos e um bebê de um ano e quatro meses.

A vítima contou que os filhos estavam sendo acusados de tocar a campainha da casa de Ivênio Hermes repetidas vezes e que o coordenador teria se irritado com as crianças.

O homem disse que foi à casa do coordenador da Sesed para dizer que não eram os filhos dele que estavam fazendo aquilo, mas provavelmente outras crianças da rua. Porém Ivênio teria começado a bater boca com o pai das crianças, pegou uma arma e seguiu a família até a casa dela, onde realizou pelo menos seis disparos.

"Passaram pela frente de uma casa e um vizinho achou que tinham tocado a campainha dele, mas o fato não condiz, porque meus filhos vinham com as duas mãos ocupadas com sacolas e meus filhos são muito respeitosos. Quando chegaram em casa, me falaram que um vizinho tinha ameaçado eles. Fui tomar satisfação, ele me xingou eu o xinguei e ele ameaçou a gente. Nunca imaginei que ele iria atrás da gente", contou o instrutor.

Fotos feitas pelo uruguaio mostram as marcas dos tiros e a Polícia Militar recolheu quatro projéteis de pistola na casa da vítima. O homem contou em depoimento que o coordenador atirou nele e nos filhos.

"Ele chegou dentro da minha casa e atirou. Eu não sabia que ele era uma pessoa importante. Não tenho intenção de incomodar ninguém, mas não posso permitir que entre uma pessoa em minha casa, atirando por causa de uma campainha", disse.

Apesar das cápsulas de pistola, ao ser detido pelo 5º Batalhão da PM, Ivênio apresentou um revólver na delegacia, que foi apreendido. O coordenador é casado com uma policial civil, que esteve com o marido na delegacia.

Ivênio não deu declarações à imprensa. Em versão registrada pela Polícia Militar e relatada no boletim de ocorrência, Ivênio disse que teria sido ameaçado pelo vizinho.

A Secretaria de Segurança Pública informou que as providências foram tomadas, com apuração dos fatos pela Polícia Civil. As penas correspondentes aos crimes superam o limite da fiança. Por isso, ele permaneceu preso e deverá ser encaminhado para audiência de custódia nesta terça-feira (9).

G1/RN



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem