Banner 1

 


A onze meses e meio do primeiro turno, a tentativa de construir uma candidatura que contraponha Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido) movimenta siglas e candidatos potenciais. Entretanto, no Congresso, os partidos com pré-candidatos para o ano que vem estão, em sua maioria, mais alinhados com o atual governo do que o mote "nem Lula, nem Bolsonaro" possa anunciar.

Dados do Radar do Congresso, plataforma do Congresso em Foco, que compila informações sobre votações no Congresso Nacional, indicam que DEM, PSL, MDB, PSDB, NOVO e Cidadania têm alinhamento superior a 80% nas pautas do governo dentro da Câmara dos Deputados. Cada um desses partidos já apresentou ao menos um nome de pré-candidato.

O levantamento inclui 1.143 votações realizadas desde o início da legislatura, em fevereiro de 2019. O PSL, partido pela qual o presidente se elegeu em 2018, possui o alinhamento mais estrito às orientações do governo: são 95% de acompanhamento, com deputados como Bibo Nunes (RS) chegando a 99% de assiduidade. O PSL está em vias de se fundir ao DEM (que tem 90% de alinhamento na Câmara) convertendo-se no União Brasil. Os nomes de José Luiz Datena e Luiz Henrique Mandetta foram aventados ao Planalto.

Enquanto isso, o MDB indicou o nome da senadora Simone Tebet (MS) ao cargo. Na Câmara, o índice do partido é de 80%, e apenas um deputado, Valtenir Pereira (MT), registrou menos que isso de acompanhamento. O Cidadania, indicou o também senador Alessandro Vieira (SE) como pré-candidato, mas ostenta 90% de alinhamento - e apenas Daniel Coelho (PE) e Rubens Bueno (PR) tem menos de 75% nesse índice.

No PSDB, o governador de São Paulo, João Doria, e o do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, disputam internamente a condição de pré-candidato, algo que será definido nas prévias do partido ainda este ano. Os tucanos tentam descolar sua imagem de Bolsonaro, a quem apoiaram nas eleições de 2018, mas contam com uma bancada de apoio ao governo na Casa. Dos 24 deputados, nove deputadas têm um alinhamento próximo a  84% com as pautas do Palácio. Duas deputadas - Bruna Furlan, de São Paulo e Tereza Nelma, de Alagoas – registram alinhamentos abaixo da média, isto é,  entre os homens, apenas Alexandre Frota (SP).

O NOVO em um primeiro momento aventou o nome de João Amoedo para concorrer ao Planalto e hoje tem em Luiz Felipe d'Avila a sua maior aposta. Na Câmara, o partido se alinha a 80% das pautas do governo - quatro em cada cinco votações.

A única distinção é o Partido Democrático Trabalhista (PDT), do pré-candidato Ciro Gomes. O partido tem alinhamento a Bolsonaro em 42% das votações, o que indica que o partido votou mais contra do que a favor do governo. Apenas três parlamentares do partido passaram a marca dos 50% de governismo: Alex Santana, da Bahia (com 72%), Flávio Nogueira, do Piauí (81%) e Marlon Santos, do Rio Grande do Sul (83%). Os outros 22 deputados da legenda apresentam alinhamento que varia de 26% a 48% das orientações governistas.

Congresso em Foco




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem