Banner 1


Tatiana Bressan, ex-estagiária do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski, negou que tenha vazado informações do gabinete ao youtuber Allan dos Santos, do site Terça Livre. Ela prestou depoimento à PF (Polícia Federal) na 5ª feira (7.out.2021), depois de ter sido alvo de buscas e apreensões.

O Estado de S. Paulo teve acesso ao depoimento. Tatiana pede desculpas “caso tenha magoado ou ofendido” algum membro da equipe de Lewandowski e diz admirar e respeitar “diversas pessoas” que trabalham com o ministro.

A advogada trabalhou no gabinete de Lewandowski de 19 de julho de 2017 a 20 de janeiro de 2019.

A partir da quebra de sigilo telefônico de Allan dos Santos –investigado no inquérito das fake news–, a Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF descobriu que o blogueiro e Tatiana se comunicavam pelo menos desde outubro de 2018.

À PF, Tatiana confirmou a data e disse ser responsável pelo 1º contato. A ex-estagiária afirmou ter pedido ajuda para conseguir um cargo no gabinete da deputada Bia Kicis (PSL-DF). Segundo ela, contou a Allan que trabalhava com Lewandowski para “valorizar seu passe” e “demonstrar que estava atuante”.

Tatiana disse ter entendido como “brincadeira” o pedido para que fosse “informante” do youtuber. Falou ainda que as mensagens enviadas depois disso foram para mostrar que estava “informada” e, assim, ter mais chances de conseguir a vaga no gabinete de Bia Kicis.

O Poder360 apurou que nos corredores do STF há a preocupação com a proximidade entre uma ex-funcionária e o youtuber. No entanto, as conversas divulgadas foram classificadas como “esdrúxulas” e “bobagem”, uma vez que estagiários não possuem acesso a decisões, atos ou reuniões relevantes da Corte.

Em uma dessas conversas, Tatiana afirmou que “algumas decisões são modificadas porque alguém importante liga pro ministro”. Entre elas, general Eduardo Villas-Bôas, ex-comandante do Exército.

A ex-estagiária disse, no depoimento, que essas informações não eram do gabinete do ministro, mas “das redes sociais, notícias das mídias, blogs de jornalistas”.

Tatiana declarou ter se encontrado pessoalmente com Allan dos Santos duas vezes. A 1ª foi em uma manifestação no ano passado, em Brasília. Depois, em um evento do Aliança pelo Brasil, projeto de partido político de apoiantes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem