Banner 1

 


A média de crescimento anual do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil de 2012 a 2021 deverá ficar em 0,4%. Enquanto isso, a inflação anual pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) será de 5,9%. O economista-chefe da agência de risco Austin Rating, Alex Agostini, disse ao jornal Estado de S. Paulo que “0 Brasil vive uma situação de ‘estagflação”. Essa  situação é característica de uma economia sem crescimento, mas com inflação significativa.

O termo “estagflação” é explicado no Novíssimo Dicionário de Economia, organizado por Paulo Sandroni, como uma “situação na economia do país na qual a estagnação ou o declínio do nível de produção e emprego se combinam com uma inflação acelerada”. “O fenômeno contraria a teoria clássica segundo a qual a inflação tenderia a declinar com o aumento do desemprego“, completa.

De modo geral, a inflação obedece o princípio da oferta e da procura. Ou seja, quando a economia cresce, o desemprego cai e o consumo aumenta, favorecendo a inflação. Se a economia se retrair , o desemprego sobe e o consumo cai, baixando também a inflação. Taxas básicas de juros estabelecidas pelo bancos centrais, expectativas e indexação também influenciam na dinâmica de preços.

O fenômeno atípico da “estagflação” é consequência da crise provocada pela pandemia de covid-19. Com a restrição de contato social e fechamento de estabelecimentos comerciais, a economia mundial entrou em descompasso. Houve o fechamento de fábricas, queda na produção e dificuldades de transporte, que causaram escassez de produtos e aumento de preços.

Em relação à demanda, a pandemia fez com que as famílias diminuíssem os gastos com serviços e aumentassem as despesas com produtos. A oferta restrita somada à demanda elevada resultou em inflação não só no Brasil, mas nos EUA e em países da Europa.

IBGE 

A previsão da Austin Rating foi feita com base em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) analisados pela empresa. O último levantamento, divulgado no dia 1º de setembro, mostrou que o PIB do Brasil recuou 0,1% no 2º trimestre deste ano, na comparação com os 3 meses imediatamente anteriores.

O PIB brasileiro recuou 4,1% em 2020, a maior queda já registrada desde o início da série histórica, em 1996. Para 2021, os analistas do mercado financeiro estimam que o Brasil crescerá 5,22%. O Ministério da Economia espera alta de 5,3%.

Já a inflação oficial do país, também de acordo com o IBGE, foi de 0,87% em agosto, a maior taxa para o mês desde 2.000.


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem