Banner 1

 


As vacinas da Oxford/AstraZeneca acabaram e a prefeitura de Mossoró suspendeu a vacinação da população com o imunizante na sexta-feira (10). Ainda não há prazo para retomada.

A segunda maior cidade do estado tem pouco mais de 5,6 mil pessoas com a segunda dose em atraso. A vacinação segue com os outros tipos de vacinas disponíveis.

De acordo com a coordenadoria de imunizações de Mossoró, a Secretaria Estadual de Saúde foi informada sobre a possibilidade de falta de doses no início da semana.

"Até então não recebemos uma resposta oficial com relação a essa questão das doses. Porém, o que sabemos é que a reserva técnica do estado é mínima. O que tem, o município utilizaria em dois dias, e a deficiência é a nível de Ministério da Saúde, porque a Fiocruz está com déficit nos insumos. É aguardar que o ministério mande para o governo repassar aos municípios e retomarmos a vacinação", afirmou Etevaldo de Lima, coordenador de imunizações.

Pela primeira vez desde o início da produção no Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou no dia 3 de setembro que ficaria duas semanas sem entregar doses de AstraZeneca para o Ministério da Saúde, porque houve atraso na entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que é o componente usado para fabricar a vacina. O composto é importado da China.

As doses já estão faltando em algumas cidades do país, como São Paulo, Palmas e Praia Grande, que relataram o problema na sexta-feira (10).

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Norte informou que o estado tem disponível um total de 11.690 doses da vacina de Oxford/Astrazenca, sendo 3.660 doses de reserva técnica e 8.030 destinadas para D2 "a serem entregues em tempo oportuno para aplicação".

"A Secretaria aguarda o envio de novas doses por parte do Ministério da Saúde para fazer a distribuição aos municípios de forma célere, como vem ocorrendo desde o início da campanha de imunização contra a Covid-19", disse.

A pasta ainda disse que o Ministério da Saúde está enviando as vacinas sem completar integralmente o quantitativo para a segunda dose "e ainda não sinalizou, apesar dos insistentes pedidos da Sesap, uma previsão para a entrega dessas doses".

A Sesap ainda reforçou que, mesmo com a antecipação da segunda dose de 12 para oito semanas, os municípios só devem adiantar o prazo conforme o recebimento de doses e com base no número de pessoas a vacinar.

População reclama

O aposentado Ananias Pereira da Silva mora na zona rural do Mossoró e teve que desembolsar R$ 120 para pegar um táxi e ir à cidade tomar a segunda dose.

Ele passou quase duas horas na fila, mas quando entrou para se vacinar, foi informado que as doses tinham acabado.

"Fizeram eu ter um gasto desse. Só que tem duas irmãs minhas, que a data delas é na próxima semana, da mesma vacina. Ai vamos pagar o táxi novamente, R$ 120", disse.

A estudante Rosângela Silva foi outra que se programou para ir ao ginásio do Sesi, um dos locais de imunização, na sexta-feira (10), mas não conseguiu a dose.

"Ontem fui na UBS, perguntei se tinha vacina suficiente e disseram que tinha. Mas disseram que não tinha lá, tinha que vir no Sesi. Chego aqui e não tem. É uma falta de respeito com as pessoas. Podiam informar nas mídias sociais para as pessoas nem saíram de casa", declarou.

O município amanheceu com apenas 40 doses disponíveis no ginásio. Pouco tempo depois de abrir os portões, a população foi informada que as doses acabaram.

Como a vacinação também ocorre nas unidades básicas, o município ainda conseguiu localizar uma unidade que tinha doses e remanejou as vacinas para concluir imunização de 20 pessoas que já tinham passado pela triagem e aguardavam a chegada do imunizante.

O taxista Benedito de Azevedo foi um dos que conseguiu a vacina. "Mandaram buscar em outro posto, fiquei aguardando e chegou agora. Tomei. Com certeza a gente fica com mais tranquilidade", disse.

G1/RN


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem