Banner 1

 

O Ministério da Saúde publicou uma nota informativa em que volta atrás e não recomenda mais a vacinação de adolescentes sem comorbidades. A nota foi publicada na 4ª feira (15.set.2021) e vai contra outra nota publicada pelo ministério no último dia 2.

A suspensão foi anunciada quando cidades já tinham iniciado a vacinação de adolescentes sem comorbidades. O ministério afirma, no entanto, que a vacinação do grupo estava prevista para começar a partir de 15 de setembro.

Segundo a Saúde, a vacinação dos adolescentes sem comorbidades não seria necessária porque a média móvel de casos e mortes por covid-19 caiu nos últimos 60 dias. Também afirma que apenas um imunizante, o da Pfizer, foi aprovado para o público e que a vacinação de adolescentes não é indicada pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Com a nova recomendação do Ministério da Saúde, até as 14h, o Distrito Federal, Salvador e Natal suspenderam a vacinação dos adolescentes sem comorbidades. A prefeitura de Salvador anunciou a paralisação ainda nesta manhã. Em Natal, segundo o G1, a vacinação foi suspensa exatamente no dia em que começaria.

Já no Distrito Federal o primeiro posicionamento foi continuar com a vacinação. Mas, no início da tarde, o governador Ibaneis Rocha (DEM) anunciou a suspensão.

“Hoje, mais cedo, anunciei que a vacinação chegaria ao público de 13 anos, a partir desta 6º feira (17). Mas, por precaução, decidi seguir a recomendação do Ministério da Saúde e suspendi a vacinação”, escreveu Ibaneis em seu perfil do Twitter.

O governador também citou um suposto caso de um jovem que passou mal depois de ser vacinado em São Paulo. Mas Ibaneis não dá detalhes e essa justificativa também não está na nota do ministério.

Além disso, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que não irá interromper a vacinação. Em evento em Araçatuba, interior paulista, ele afirmou que irá “continuar a vacinar”, seguindo as recomendações do comitê científico do Estado.

“Nós temos médicos, especialistas, são infectologistas. A orientação deles, salvo algum fato novo, é manter a vacinação dos jovens de 12 a 17 anos”, disse.

Em nota, o governo de São Paulo lamentou a decisão do ministério e citou diferentes países que já vacinam adolescentes. “A medida cria insegurança e causa apreensão em milhões de adolescentes e famílias que esperam ver os seus filhos imunizados, além de professores que convivem com eles.”

A prefeitura do Rio de Janeiro também anunciou que irá continuar com a vacinação, com adolescentes de 14 anos sendo vacinados na 5ª e 6ª feiras (16 e 17.set).

“Sobre o atendimento aos meninos e meninas de 13 e 12 anos, o tema será submetido na próxima 4ª feira (22) ao Comitê Especial de Enfrentamento à covid-19, que avaliará as ponderações do MS [Ministério da Saúde]”.

Na 5ª feira (16.set), o presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o colegiado encaminhará um pedido de informações ao Ministério da Saúde sobre o tema. A pasta terá 48 horas para explicar por que recomendou suspender a vacinação de adolescentes contra covid.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem