Banner 1

 

Pela 25ª semana consecutiva, o mercado financeiro aumentou a estimativa para a inflação brasileira neste ano. As projeções indicam que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 2021 deve ficar em 8,45%. Na semana passada era esperado que o índice ficasse em 8,35%.

As estimativas foram divulgados nesta 2ª feira (20.set.2021) no Boletim Focus do Banco Central. O Boletim Focus é divulgado semanalmente com as perspectivas dos operadores do mercado em relação aos principais indicadores da economia.

As projeções atuais dos economistas indicam que a inflação oficial será 4,7 pontos percentuais acima da meta deste ano, de 3,75%. A estimativa também está acima do teto da meta, que é de 1,5 ponto percentual, para mais e para menos (de 2,25% para 5,25%).

A trajetória de alta da inflação também é observada na estimativa do ano que vem. Pela 10ª vez consecutiva, o mercado aumentou a projeção do IPCA de 2022, que agora está em 4,12%.

Por outro lado, o PIB (Produto Interno Bruto) ficou estável pela 2ª semana, em 5,04% para este ano. Mas para 2022, as estimativas continuam pessimistas. Na 4ª queda consecutiva, o crescimento para o ano que vem é estimado em 1,57%. Há 4 semanas era 2%.

Os novos números são os primeiros depois da alta da Selic para 6,25% ao ano pelo BC na semana passada. O Copom (Comitê de Política Monetária) também sinalizou que na penúltima reunião do ano, em outubro, irá aumentar em mais 1 ponto percentual os juros, chegando a 7,25%.

Nesta semana, os economistas consultados pelo BC mantiveram a estimativa da Selic terminar o ano em 8,25%. Para o ano que vem, a projeção também continua a mesma: 8,50%.

A alta da taxa básica de juros é utilizada para frear a inflação. A prévia da inflação de setembro foi de 1,14%, a maior para o mês desde o Plano Real. No acumulado de 12 meses, a inflação acumula alta de 10,03%.

A alta da inflação é vista principalmente na alimentação, que acumula 9,9% de alta nos últimos 12 meses. Isso significa que as famílias mais pobres são as mais afetadas pela situação infracionária do Brasil.

Não houve alteração na estimativa do dólar deste ano, que continua sendo de R$ 5,20. Para 2022, o mercado aumentou levemente a possível cotação, de R$ 5,23 para R$ 5,24.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem