Banner 1


Pessoas com imunização incompleta contra a Covid-19 são maioria entre os novos hospitalizados com a doença, diz Renato Kfouri, infectologista e diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), com base em resultados de estudos nacionais e internacionais.

“Estados Unidos, Israel e mesmo o Brasil já publicaram dados que corroboram esse cenário. Entre os hospitalizados com forma grave da doença, mais de 95% são não-vacinados. Só está parando no hospital quem não tem esquema vacinal completo.”

De acordo com Kfouri, as pessoas imunizadas que se infectam e desenvolvem forma grave são, em geral, grupos de imunossuprimidos ou idosos. “A importância da dose de reforço vem daí”, diz.

O infectologista comenta outro resultado de efetividade que diz respeito à capacidade do indivíduo transmitir a Covid-19. “O risco do indivíduo vacinado transmitir doença é muito menor. Esse é um dado importante destes novos estudos também.”

Terceira dose

O diretor da SBIm explicou que, após seis meses da aplicação da segunda dose, há um prejuízo na proteção independente se a pessoa tomou AstraZeneca, Pfizer, Coronavac ou Janssen. “Esse é um efeito de classe para todas as vacinas”.

Kfouri reforçou a necessidade da proteção dos idosos e analisou que o fator idade ainda é o que impõe mais risco. “Indivíduos idosos, acima de 70 e 80 anos, mesmo vacinados, continuam com o risco maior de hospitalização e morte do que adultos não vacinados”, disse.

CNN Brasil


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem