Banner 1

 

Esquema seria chefiado por Ana Cristina, ex-mulher de Jair Bolsonaro e mãe de Jair Renan

Marcelo Luiz Nogueira, ex-funcionário da família Bolsonaro, disse que Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ficava com pelo menos 80% de seu salário e do de outros funcionários. A declaração foi feita em entrevista ao site Metrópoles.

Nogueira diz ter se demitido por não receber o salário solicitado. Ele afirma ter trabalhado com a família por 14 anos e que o esquema de “rachadinha” funcionava nos gabinetes do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e de seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Ambos são filhos do presidente da República.

De acordo com o ex-funcionário, em alguns casos os contratados devolviam 100% do salário, já que eram usados os nomes e as contas dos envolvidos sem que eles precisassem trabalhar.

Nogueira foi questionado sobre se poderia apresentar provas a respeito de suas declarações. Disse que não. Só tem sua palavra.

Segundo o relato, o ex-funcionário trabalhou na campanha de 2002 de Flávio para deputado estadual. De 2003 a 2007, foi lotado no gabinete do político na Assembleia do Rio.

Depois da separação de Bolsonaro e Ana Cristina, em 2007, passou a ser uma espécie de babá de Jair Renan, filho do casal. Parou de atuar com a família quando Ana Cristina se mudou para a Europa. De 2014 a 2021, voltou a trabalhar com ela, como empregado doméstico, primeiro em Resende (RJ), depois em Brasília.

Nogueira diz que Ana Cristina precedeu Fabrício Queiroz no esquema de rachadinhas nos gabinetes de Flávio e Carlos. Depois da separação, Flávio e Carlos teriam assumido a responsabilidade pelo recolhimento dos salários dos funcionários.

Ele também afirma que Ana Cristina formou todo o seu patrimônio usando laranjas, inclusive na compra da mansão do Lago Sul, em Brasília, em que mora junto com Jair Renan.

Segundo Nogueira, o imóvel não foi alugado, mas comprado por meio de 2 laranjas. O negócio teria sido feito com um contrato de gaveta: um documento informal teria sido registrado em cartório. A mansão seria repassada para ela, encerrado o financiamento.

O Poder360 entrou em contato com Flávio e Carlos Bolsonaro, mas não obteve resposta. A reportagem não conseguiu entrar em contato com Ana Cristina. O espaço segue aberto para manifestação.

RACHADINHA

Tanto Flávio quanto Carlos são investigados por supostos esquemas de rachadinha. Nesta semana, veio à tona que a Justiça do Rio de Janeiro chegou a quebrar o sigilo fiscal e bancário de Carlos.

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) investiga indícios de que ocorreram contratações irregulares desde o 1º mandato de Carlos na Câmara Municipal do Rio, em 2001. O processo corre em segredo de justiça.

Segundo o regulamento da Câmara do Rio, os assessores precisam cumprir uma jornada de trabalho de 40 horas semanais. O MP diz, no entanto, que haveria evidências de que muitos dos funcionários que trabalham no gabinete de Carlos não cumpriam o expediente. Pela 1ª vez o órgão disse também ter indícios de rachadinha no gabinete do político.

De acordo com o MP, Carlos movimentou grande quantidade de dinheiro em ao menos 3 situações como vereador do Rio. Em 2003, por exemplo, o político pagou R$ 150 mil em espécie ao comprar um apartamento na Tijuca, zona norte do Rio.

Em 2009, teria entregado R$ 15.500, também em espécie, para cobrir um prejuízo na Bolsa de Valores. Por fim, no ano passado, o político declarou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ter R$ 20.000 guardados em casa.

O MP apontou, por fim, a existência de um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que mostraria duas operações financeiras suspeitas. Uma delas envolveria R$ 1,7 milhão.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem