Banner 1


O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal não devem romper com a Febraban. A tensão havia sido iniciada depois que o sindicato apoiou o conteúdo do manifesto “A Praça é dos Três Poderes”. O texto pedia o diálogo entre os Poderes, em uma referência indireta e crítica ao atual confronto entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o STF (Supremo Tribunal Federal). Nesta 5ª feira (2.set.2021), a Febraban reiterou o apoio à carta. Leia a íntegra do COMUNICADO.

“Esse comunicado é uma saída honrosa para os 2 lados”, disse o presidente do BB, Fausto de Andrade Ribeiro, para quem o texto foi “fruto de discussões respeitosas entre as partes e da busca constante pelo diálogo existente entre os membros da Febraban”.

Fausto completa: “O comunicado respeita a governança da entidade, quando da aprovação da adesão, no entanto deixa claro a descontinuidade dessa adesão dado que o mesmo, além de ter cumprido sua finalidade, teve interpretações diversas daquela pretendida inicialmente. Em suma, não terá o selo da Febraban em eventual publicação por parte da Fiesp. A decisão respeita os 2 lados dessa questão. Foi [uma decisão] boa e sensata por parte daquela entidade”.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, não se manifestou.

Em suma, o argumento interno no governo é o de que a carta desta 5ª feira da Febraban é aceitável porque o manifesto “A Praça é dos Três Poderes” nunca foi publicado de fato.

O Poder360 apurou, entretanto, que vários ministros atuaram para que a beligerância entre Caixa/BB e Febraban fosse reduzida. No fundo, trata-se de uma vitória política do sindicato dos bancos e uma derrota para os 2 bancos oficiais.

Há uma preocupação grande no governo para que seja reduzida a tensão entre o Planalto e o mercado. Muitos consideram o episódio do manifesto Fiesp/Febraban ruim para o Jair Bolsonaro. O presidente chegou a pensar em divulgar uma nota contra o sindicato dos bancos, mas foi demovido dessa ideia por assessores.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem