Banner 1

 

Os peritos criminais da PF (Polícia Federal) afirmaram, em nota, que não há “qualquer evidência de fraudes nas eleições brasileiras até o momento”. A APCF (Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais) participa dos testes públicos de segurança da urna eletrônica e divulgou nota na 5ª feira (5.ago.2021) sobre o sistema eleitoral.

Segundo a APCF afirmou ainda que a identificação de falhas ou vulnerabilidades não significa que há ou haverá fraudes. De acordo com os peritos, ao encontrar vulnerabilidades é possível aprimorar o sistema eleitoral brasileiro e é exatamente para isso que os testes são realizados.

“Até o momento, não foi apresentada qualquer evidência de fraudes em eleições brasileiras”, diz a nota. 

Além disso, a APCF afirma que para que uma suposta fraude fosse comprovada seria preciso mais do que uma falha na segurança da urna eletrônica. Os peritos afirmam que precisariam de evidências como transferência de ativos, mensagens, imagens, áudios ou documentos que mostrassem algum tipo de esquema contra o processo eleitoral.

A urna eletrônica foi adotada há 25 anos, em 1996. Em junho, a PF solicitou às superintendências do órgão nos Estados para que encaminhassem todas as denúncias de fraudes recebidas desde a década de 1990. Mas não encontrou nenhum registro de fraude.

“A APCF defende a urna eletrônica e reconhece que se trata de um exitoso projeto de hardware e de software”, afirmou a associação. “Ressaltamos, por fim, nossa confiança no processo eleitoral, tendo a certeza de que o voto eletrônico trouxe importantes avanços, dentre eles o afastamento dos riscos decorrentes do voto em cédula.”

Para a associação, um sistema “analógico complementar, sem qualquer contato físico com o eleitor” pode ser benéfico, como um sistema a mais de auditoria. Afirmou ainda que o registro impresso precisa de um debate longo e científico, “sem descontextualizações que objetivem sustentar teorias não comprovadas”.

O pronunciamento da APCF veio depois de diversas declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em que ele coloca em dúvida o sistema eleitoral brasileiro com o voto eletrônico. Ele já chegou a condicionar as eleições a aprovação do voto impresso.

Na 2ª feira (2.ago), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pediu para o STF (Supremo Tribunal Federal) investigar Bolsonaro por declarações sobre fraude nas urnas. O presidente já afirmou que não tem provas de suas declarações.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem