Banner 1

 

O manifesto a favor da pacificação das relações entre os Três Poderes teve 212 assinaturas na última 6ª feira (27.ago.2021). Na 2ª feira, chegaram mais de 100 pedidos de adesão.

Várias entidades desejam assinar e pediram prazo para que o texto seja submetido a suas diretorias. Além disso, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (que está coordenando a logística da publicação) deve fazer alguns ajustes para que o manifesto fique sem ambiguidades que possam sugerir críticas diretas ao presidente Jair Bolsonaro.

Por essas duas razões (adesão de mais entidades e edição do texto final), o manifesto deve ser publicado apenas após o feriado do 7 de Setembro.

O Poder360 relatou os bastidores sobre a redação do manifesto neste post de sábado  (28.ago.2021). A iniciativa foi da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), que fez 1 texto preliminar. Depois, a Fiesp atenuou o que poderia ser entendido como apenas crítica ao Poder Executivo e sugeriu uma nova redação.

No sábado, tornou-se público que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil pretendem deixar a Febraban se a entidade assinar o manifesto. As modificações que a Fiesp havia introduzido no manifesto não foram suficientes para reduzir a resistência dos bancos oficiais.

De sábado para cá, a publicação foi suspensa. Estava marcada para 3ª feira (31.ago.2021) a divulgação em vários veículos de comunicação. Agora, a ideia é esperar a adesão de todas as entidades interessadas e passar de 400 assinaturas.

Os organizadores também acham prudente esperar o 7 de Setembro para saber se tudo transcorreu de forma pacífica ou não nos atos que estão sendo anunciados, a favor e contra o governo federal. Talvez seja necessário incluir alguma menção ao resultado das manifestações.

Um dos trechos do manifesto que provocou irritação do governo e dos bancos oficiais foi o que falava sobre a necessidade de criar empregos. O governo alega que (e isso é fato) empregos já estão sendo criados. Eis o parágrafo:

“O momento exige de todos serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer, a gerar empregos e assim possa reduzir as carências sociais que atingem amplos segmentos da população. Mais do que nunca, o momento exige do Legislativo, do Executivo e do Judiciário aproximação e cooperação”.

Esse parágrafo já foi alterado e a redação atual é a seguinte, reconhecendo que já há criação de empregos, que deve ser mantida:

“O momento exige de todos serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer de forma sustentada, continue a gerar empregos e assim possa reduzir as carências sociais que atingem amplos segmentos da população. Mais do que nunca, o momento exige aproximação e cooperação entre Legislativo, Executivo e Judiciário”.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem