Banner 1

 

Um incêndio atingiu um galpão da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo, no começo da noite de quinta-feira. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não há vítimas até o momento. Em abril, os funcionários divulgaram um manifesto em que alertavam sobre os riscos de o edifício pegar fogo.

“A possibilidade de autocombustão das películas em nitrato de celulose, e o consequente risco de incêndio frequentemente recebem mais atenção da mídia e do público. A instituição enfrentou quatro incêndios em seus 74 anos, sendo o último em 2016, com a destruição de cerca de 500 obras. O risco de um novo incêndio é real. O acompanhamento técnico contínuo é a principal forma de prevenção. A situação do acervo em acetato de celulose também é crítica”, diz um trecho.

Os bombeiros foram acionados às 18h04 do fogo e foram até o local e conseguiram controlar o incêndio com 11 viaturas.

"Perdemos 60 anos de história", diz especialista

Ex-diretor da Cinemateca Brasileira e ex-secretário de Cultura de São Paulo, Carlos Augusto Calil, hoje presidente da Sociedade Amigos da Cinemateca, classificou o incêndio que atingiu o galpão da Cinemateca como um "desastre" e lembrou que este foi o 5º incêndio sofrido pela instituição - o primeiro ocorreu em 1957. "O que se perdeu agora no depósito foi o que havia sobrevivido à inundação de fevereiro de 2020. O que a água começou o fogo terminou", disse.

O prejuízo ainda será contabilizado, mas, segundo ele, o que se perdeu, com certeza, foi algo como quatro toneladas de documentos do Instituto Nacional de Cinema, Concine, Embrafilme e Secretaria do Audiovisual. "Perdemos 60 anos de história, toda a memória da política pública de apoio ao cinema". Itens como projetores e aparelhos antigos, cópias e matrizes secundárias de filmes também podem ter sido destruídos. 

Calil não acredita que o incêndio tenha sido uma fatalidade. "Assim como no Museu Nacional, isso não foi uma fatalidade. O abandono das instituições públicas brasileiras de memória é um assunto escandaloso", disse. E alertou que ainda há muito com o que se preocupar - inclusive no que diz respeito ao prédio principal da Cinemateca, na Vila Clementino, onde está o acervo inflamável. "A segurança da Cinemateca não se faz apenas com controles de temperatura e de segurança. Ela é feita pelo exame periódico desse acervo pelos técnicos, e a Cinemateca está sem técnico nenhum. Ela está fechada há mais de um ano." O cineasta completa: "Estão mantendo a Cinemateca como um doente por aparelhos. Não tem ninguém cuidando do acervo, examinando o material, que precisa ser examinado para dizer que ele está sob segurança."

O que ele espera que aconteça agora? "Francamente, não sei o que esperar. Eu achava que tínhamos chegado ao fundo do poço, mas pelo visto não chegamos", finaliza.

A boa notícia é que o piso térreo do galpão foi preservado. Segundo informações da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, divulgadas pela GloboNews, o fogo começou no final da tarde desta quinta-feira, 29, durante a manutenção do ar-condicionado do local. Três salas do segundo piso, onde se encontravam documentos impressos, arquivos, filmes e equipamentos cinematográficos foram consumidos pelas chamadas.

Com informações do Globo e Terra


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem