Banner 1

 


A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) anunciou na 6ª feira (30.jul.2021) o começo da fabricação de vacinas contra a covid-19 com o IFA (ingrediente farmacêutico ativo) nacional, produzido no laboratório de Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro. Trata-se de um 1º lote de pré-validação do imunizante.

Serão produzidos 2 lotes de pré-validação e 3 de validação. As doses passarão por testes de controle de qualidade em Bio-Manguinhos e serão comparadas com o produto original junto à AstraZeneca. De acordo com comunicado da fundação, os lotes estão em fase de “expansão celular”, etapa inicial da fabricação da vacina.

A Fiocruz também informou que enviará à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a documentação para alterar o registro da vacina, com o novo local de fabricação do IFA. 

“A previsão é que as doses 100% nacionais comecem a ser entregues no último trimestre do ano, trazendo autossuficiência para o país. Antes mesmo da disponibilização dessas vacinas, as entregas que a Fundação realiza com o IFA importado, de forma ininterrupta há 20 semanas, foram utilizadas em aproximadamente metade das pessoas que já foram imunizadas no Brasil”, disse o órgão. A Fiocruz entregou ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) nesta 6ª feira (30.jul) cerca de 2,2 milhões de doses da vacina contra a covid. O total repassado ao Ministério da Saúde chegou a 80,4 milhões de doses: 76,4 milhões processadas no Brasil e 4 milhões importadas prontas do Instituto Serum, da Índia.

“Bio-Manguinhos permanece com capacidade de produção superior à de disponibilização do IFA importado e segue negociando o envio de novas remessas do insumo para o mês de agosto. A produção, que chegou a bater, nesta semana, 1.165.000 milhão de doses processadas em um só dia, segue com a perspectiva de ampliação de sua capacidade com a instalação de uma terceira linha de processamento final de vacinas”. 

A nova linha passou por inspeção regulatória da Anvisa, concluída com “resultado satisfatório”. O procedimento confirma as condições técnico-operacionais da instalação. Poderão ser envasadas até 225.000 doses do imunizante. A agência precisa formalizar o aval publicando um relatório no Dou (Diário Oficial da União)

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem