Banner 1

 


O presidente Jair Bolsonaro disse na 5ª feira (8.jul.2021) durante sua live semanal, que não responderá à carta que cobra manifestação oficial dele sobre o caso Covaxin. O documento, entregue no Palácio do Planalto, foi assinado pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), Renan Calheiros (MDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). 

“Hoje, o Omar, o Renan e o saltitante fizeram uma festa lá embaixo na Presidência, entregaram documento, pô, responder pergunta à CPI. Sabe qual é minha resposta, pessoal? Caguei. Caguei para CPI. Não vou responder nada”, disse em sua live semanal, transmitida em suas páginas oficiais nas redes sociais.

O presidente definiu assim 3 senadores da CPI ao falar que erraram nas contas sobre o quanto o governo federal pagaria por vacinas:

Renan Calheiros: “Imbecil”

Omar Aziz: “Hipócrita”

Randolfe Rodrigues: “Analfabeto”

Bolsonaro continuou criticando os congressistas que estão à frente da Comissão Parlamentar de Inquérito e repetiu que não responderá ao pedido oficial de comentário.

“Querer decência por parte do G7 da CPI é perder tempo. Renan Calheiros, deita aí para tu esperar minha resposta sobre as suas perguntas feitas para mim. Deita você, o Randolfe e o Omar. Deita aí e dorme aí, fica esperando resposta. Não vou responder para gente sem qualificação como você”, declarou Bolsonaro.

O documento entregue na 5ª feira começa com menção ao depoimento do deputado Luis Miranda à CPI, no dia 25 de junho de 2021, e de seu irmão, servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda. Na ocasião, o congressista afirmou que o presidente suspeitou do líder do Governo na Câmara, o deputado Ricardo Barros, quando foi alertado pela dupla sobre possíveis irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin.

Solicitamos em caráter de urgência, diante da gravidade das imputações feitas a uma figura central deste administração, que vossa Excelência desminta ou confirme o teor das declarações”, escrevem os senadores na carta.

O chefe do Executivo afirmou ainda que as declarações dadas na CPI interferem no preço dos combustíveis e no índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo).

“Que resposta posso ter para CPI que não quer colaborar com nada? Apenas desgastar governo, criar um caos e, quando eles mexem, de vez em quando, tem certa reverberação. Mexe na Bolsa, faz aumentar preço do petróleo, do combustível por tabela, que é atrelado ao preço do barril lá fora”, disse.

BOLSONARO SOLUÇA SEM PARAR

Participou da live desta 5ª feira, além do apoiador Maicon Sulivan, o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). Também fizeram rápidos comentários na transmissão: o youtuber Blog do Lisboa, os assessores do presidente Mateus Diniz e Aldene Bruno e o servidor do Ministério de Ciência e Tecnologia Felipe Bellucci.

Bolsonaro soluçou diversas vezes durante a transmissão. Disse a apoiadores, na manhã desta 5ª, que foi submetido a uma cirurgia ortodôntica. Fez implante. O presidente também disse em outras oportunidades que tem refluxo. 

Eis outros tópicos tratados por Bolsonaro em sua live semanal:

Vacinas — “Quem achar que deve se vacinar se vacine. Quem achar que não deve não se vacine. Afinal de contas, quem acredita na vacina está protegido. Quem não acredita a vida é dele. Cuida da vida dele”;

Ivermectina — “Mais cedo ou mais tarde, vai ser comprovado cientificamente, com toda certeza, o uso da ivermectina, o tratamento precoce”;

TV Globo – “Globo registra pior mês de junho de sua história. Quem é essa aqui na capa? Maju [Coutinho, apresentadora do Jornal Hoje]? Não vou falar da Maju. Você acha bonita a Maju? (Apoiador diz que sim) É bonita? Tá. Mas ela tinha que estar fora, tinha que algum feio estar lá, na cota de feio. É ou não é?”;

Combustíveis — “Conversei anteontem com Petrobras e pedi para ele [o presidente], a partir de hoje, que bote na página da Petrobras o preço da gasolina e do diesel em especial na refinaria, para se saber, no final da linha, quanto se está pagando”;

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem