Banner 1

 


Um estudo conduzido por Israel mostrou que o risco de infecção pelo Sars-CoV-2, coronavírus causador da covid-19, cai 51,4% de 13 a 24 dias depois da aplicação da 1ª dose da vacina da Pfizer/BioNTech. A efetividade contra casos sintomáticos da doença é de 54%.

A pesquisa foi publicada na 2ª feira (7.jun.2021) no jornal científico Jama (Journal of the American Medical Association). 

O estudo foi realizado de 19 de dezembro a 15 de janeiro. Pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Tel Aviv e do Centro de Pesquisa e Inovação do Instituto Maccabi analisaram dados de 503.875 pessoas.

Os cientistas dividiram a pesquisa em 2 intervalos de tempo posteriores à aplicação da 1ª dose: do 1º a 12º dia e do 13º ao 24º dia. No total, foram registrados 3.098 casos confirmados de covid-19. Destes, 2.484 ocorreram no 1º intervalo de tempo determinado e 614 no período que vai do 13º ao 24º dia.

“[O resultado] é comparável ao nível mínimo aceitável de eficácia de 50% na prevenção de covid-19, conforme indicado pela Organização Mundial da Saúde e pela Food and Drug Administration [agência regulatória dos EUA] como um dos critérios essenciais para conferir a aprovação de uso emergencial para vacinas”, lê-se no estudo.

“Embora esses resultados sejam encorajadores, a vacina BNT162b2 [da Pfizer] deve ser administrada em um regime de duas doses com 21 dias de intervalo, conforme licenciado para uso emergencial, para que seja atingida a proteção máxima e haja impacto na redução de casos de covid-19 e possivelmente na transmissão do Sars-CoV-2”, disseram os pesquisadores.

A eficácia obtida depois da 2ª dose, segundo a Pfizer, é de 95%. O estudo que chegou a esse dado envolveu 44.000 pessoas. A farmacêutica anunciou em abril que a sua vacina anticovid manteve 91,3% de eficácia na prevenção da doença depois de 6 meses da 2ª aplicação.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem