Banner 1

 


A Novavax divulgou, nesta segunda-feira, dados de estágio final de seu ensaio clínico com base nos Estados Unidos, mostrando que sua vacina tem mais de 90% de eficácia geral contra a Covid-19, considerando diversas variantes do coronavírus.

O imunizante “demonstrou uma proteção de 100% contra doenças moderadas e graves, e uma eficácia de 90,4% em geral”, disse a empresa, em um comunicado.

O estudo teve participação de quase 30 mil voluntários nos EUA e no México e coloca a Novavax no caminho certo para solicitar autorização de uso emergencial nos EUA e em outros locais no terceiro trimestre de 2021, disse a empresa.

A vacina candidata contra a Covid-19, baseada em proteína, foi mais de 93% eficaz contra as variantes predominantes que têm sido motivo de preocupação entre cientistas e funcionários de saúde pública, informou a Novavax.

Vacinas à base de proteínas são uma abordagem convencional que utiliza pedaços purificados do vírus para estimular uma resposta imunológica. Os imunizantes contra coqueluche e herpes zóster usam essa abordagem.

Durante o estudo, a variante B.1.1.7, descoberta pela primeira vez no Reino Unido, se tornou a mais comum nos EUA, disse a empresa. A Novavax também detectou variantes do coronavírus encontradas pela primeira vez no Brasil, África do Sul e Índia entre os participantes do estudo, disse o chefe de pesquisa e desenvolvimento da Novavax, Gregory Glenn.

A vacina foi 91% eficaz entre os voluntários com alto risco de infecção grave e foi aproximadamente 70% eficaz contra variantes do coronavírus que a Novavax não conseguiu identificar, disse Glenn.

— Em termos práticos, é muito importante que a vacina possa proteger contra um vírus que está circulando descontroladamente (em termos de novas variantes) — afirmou Glenn.

Segundo a Novavax, a vacina foi bem tolerada, em geral, entre os participantes. Os efeitos colaterais incluíram dor de cabeça, fadiga e dores musculares e foram geralmente leves. Um pequeno número de participantes experimentou efeitos colaterais descritos como graves.

Em março, a empresa divulgou dados de um estudo conduzido no Reino Unido, no qual a vacina apresentou eficácia de 96% na prevenção de casos provocados pela versão original do coronavírus. Já contra a variante britânica, a vacina foi 86% eficaz. Com base em dados de infecções de ambas as versões do coronavírus, a taxa de eficácia geral combinada foi de 90%.

Em um ensaio menor, conduzido na África do Sul, onde os voluntários foram expostos principalmente à variante encontrada no país, a vacina da Novavax foi 55% eficaz, com base em pessoas sem HIV, mas ainda evitou totalmente doenças graves. A eficácia diminuiu para cerca de 49% quando a análise incluiu dados de participantes soropositivos.

O Globo



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem