Banner 1

 


A Polícia Federal enviou um documento para o STF (Supremo Tribunal Federal) sugerindo a abertura de investigação para analisar a tentativa de obstrução da CPMI das fake news. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, o pedido foi feito em dezembro de 2020, na esteira do inquérito dos atos antidemocráticos. As buscas teriam como alvos apoiadores bolsonaristas.

Os principais investigados pela PF são os sócios do portal Terça Livre – Allan dos Santos, Bruno Ayres e Joã0 Bernardo Barbosa – além da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF). Mensagens interceptadas pela corporação apontam que o grupo de Whatsapp “Conselheiros da TL” era o principal canal de comunicação entre a deputada e os membros que queriam barrar a investigação, entre eles os gestores do portal. Eles tentaram derrubar a convocação de João Barbosa para depor na comissão por meio da deputada. João mora em Miami, nos Estados Unidos, e é sócio da holding JBB Par Investiments, que atua no ramo da tecnologia e alimentação. Para a Polícia Federal, João é o responsável por financiar o portal Terça Livre.

Uma das mensagens identificadas foi enviada por Ayres (para a PF seria Bruno Ayres, outro sócio do portal) em novembro de 2019:

“Pessoal eu, especialmente ALLAN, eu conversei com a BIA, agora eu e o JOÃO, éhhhhh, e ela falou, expliquei toda a situação do JOÃO para ela e ela disse, que ela tem brigar por isso, que não é uma coisa simples, ela tem que conseguir os votos e via votos mesmo, éhhh para derrubar isso aí“, dizia Ayres em mensagem transcrita pela PF.

Segundo as investigações, Allan dos Santos mentiu para a CPMI das fake news em depoimento feito em 5 de novembro de 2019. O blogueiro disse João colaborava de forma voluntária com o Terça Livre. O relatório da Polícia Federal aponta que “não há clara indicação das circunstâncias, impondo-se o aprofundamento para a verificação da repercussão“.

LAVAGEM DE DINHEIRO

Outro braço da investigação busca mapear a forma que o canal do YouTube do Terça Livre recebia financiamento pelo Google. A PF observou que o dinheiro voltava ao Brasil pelo Paypal. João Bernardo pagava as despesas de Allan e do Terça Livre de forma direta. Para os investigadores, não está claro ainda a origem desse dinheiro e os motivos pelos quais havia interposição de pessoas físicas e jurídicas. A polícia formalizou um pedido para o Google para apurar os pagamentos feitos pela empresa estrangeira BBTV (Broadband TV Corp). A companhia foi identificada como possível prestadora de serviço para o Terça Livre.

Em fevereiro de 2021, a PF encontrou a planilha de doadores do canal em busca e apreensão realizada na casa de Allan do Santos. Dentre os mais de 1.700 doadores estavam: um servidor público do Tribunal de Contas do Estado de Rio de Janeiro, um servidor da Secretaria da Fazendo do Rio de Janeiro, um servidor do Senado Federal e uma servidora do BNDES. Juntos, os 4 doaram R$ 140.850 ao portal. A PF solicitou a abertura de 8 investigações independentes.

Em nota, o presidente da CPMI das fake news, senador Angelo Coronel (PSD-BA), disse que a comissão não tem conhecimento de qualquer tentativa de obstrução dos trabalhos:

“Como Presidente daquele colegiado, desconheço movimentos para obstruir os trabalhos da comissão, que sempre funcionou normalmente e contando com debates democráticos em seu plenário, levando sempre a voto decisões como a de convocação de testemunhas.

Todos os pedidos de acesso a documentos foram respondidos conforme o contexto jurídico cabível. 

Aqueles documentos que são públicos estão sempre disponíveis na página online da comissão; aqueles resguardados por sigilo demandam uma sistemática em que o pedido de acesso deve vir por meio do Poder Judiciário, sob risco de o Presidente da CPMI descumprir seu dever de guarda de informações protegidas constitucionalmente.

Nesse contexto, eventual arquivamento de investigações no seio da Polícia Federal ou Ministério Público é da competência exclusiva desses órgãos decidirem conforme os procedimentos legais aplicáveis“, disse o senador.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem