Banner 1

 

O Brasil ultrapassou a Índia na média diária de mortes por covid-19 no domingo (20.jun.2021). De acordo com dados do site Our World In Data, nesse dia, a média móvel brasileira era de 2.060, enquanto a indiana estava em 1.975.

O país asiático passou a liderar o ranking em 26 de abril, depois de ultrapassar o Brasil, que esteve no topo desde 9 de março –data em que superou os Estados Unidos. O país norte-americano começou a registrar queda considerável de vítimas quando avançou com a vacinação. Para comparação, no mesmo domingo, a média móvel de óbitos nos Estados Unidos foi de 281.

Segundo Domingos Alves, cientista de dados e professor da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto, a atuação dos governos brasileiro e indiano frente à pandemia apresenta similaridades.

“A epidemia brasileira, vou extrapolar isso para a Índia também, está intimamente ligada com as medidas que são tomadas, não para conter a disseminação do vírus, mas frente a uma análise econômica da situação. Não existe uma análise de saúde pública na pandemia. A maioria dos estados brasileiros fez uma política de ampliação de leitos, não de contenção do vírus”, falou.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) considera a situação controlada quando os indicadores de interesse epidemiológico —que são o número de novos casos, óbitos e internações a cada dia— começam a cair de maneira sustentada. O número precisa baixar em torno de 50% do praticado anteriormente e se manter em queda por 3 semanas.

Atualmente, o Brasil registra 23% das mortes diárias por covid-19 no mundo. Especialistas alertam para o risco de agravamento da pandemia no país.

VARIANTES

O Brasil e a Índia foram amplamente afetados por mutações do Sars-CoV-2.

Na Índia, a variante Delta é predominante. Médicos do país observaram o aumento de deficiência auditiva, distúrbios gástricos sérios, fungo negro e coágulos em pacientes infectados pela Delta. Isso sugere que a cepa seja mais infecciosa e mais grave.

Já o Brasil conta não somente com a cepa de Manaus, conhecida como variante Gama, mas tornou-se um laboratório de novas mutações do vírus. Um estudo feito em Feira de Santana (BA) mostra que a Gama se dissemina muito rapidamente. A linhagem, segundo os pesquisadores, é até 2,4 vezes mais transmissível do que outras.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem