Banner 1

 


O ex-CEO da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, afirmou à CPI da Covid no Senado que a empresa ofereceu entregar 1,5 milhão de doses da vacina contra a covid-19 ainda em 2020. O Brasil nunca respondeu a oferta feita pela farmacêutica. 

Segundo Murillo, as tratativas começaram em agosto. Havia duas possibilidades de negociação: uma de 30 milhões de doses e outra de 70 milhões de doses. No total, foram feitas três ofertas da Pfizer ao Brasil entre agosto e setembro - nenhuma delas teve resposta. 

Em uma reunião de 6 de agosto, o Ministério (da Saúde) manifestou possível interesse na nossa vacina e com isso nós oferecemos, no dia 14 de agosto, nossa primeira oferta, que era uma oferta vinculante. Essa oferta era, na verdade, duas ofertas, vou explicar, porque era exatamente a mesma oferta, mesmas condições, mesmo preço, mas uma era de 30 milhões de doses e outra era de 70 milhões de doses. E essa oferta tinha o possível cronograma de entrega durante o final de 2020 e 2021."

"Em 18 de agosto, nós voltamos a fazer a oferta por 30 milhões e 70 milhões de doses, mas nessa oferta nós tínhamos conseguido um quantitativo adicional para o Brasil para o final de 2020. Em 26 de agosto, nós fizemos a terceira oferta, também por 30 milhões e 70 milhões de doses. Nessa terceira oferta nós tínhamos um pouco mais de quantidade para o primeiro trimestre de 2021", detalhou. 

Primeira oferta (30 milhões)

  • Em 2020: 500 mil de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 1,5 milhã de doses 
  • Segundo trimestre de 2021: 5 milhões de doses 
  • Terceiro trimestre de 2021: 14 milhões de doses 
  • Quarto trimestre de 2021: 9 milhões

Primeira oferta (70 milhões) 

  • Em 2020: 500 mil de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 1,5 milhão de doses
  • Segundo trimestre de 2021: 5 milhões de doses
  • Terceiro trimestre de 2021: 33 milhões de doses
  • Quarto trimestre de 2021: 30 milhões

Segunda oferta (30 milhões) 

  • Em 2020: 1,5 milhão de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 1,5 milhão de doses
  • Segundo trimestre de 2021: 5 milhões de doses
  • Terceiro trimestre de 2021: 14 milhões de doses
  • Quarto trimestre de 2021: 9 milhões

Segunda oferta (70 milhões)

  • Em 2020: 1,5 milhão de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 1,5 milhão de doses
  • Segundo trimestre de 2021: 5 milhões de doses
  • Terceiro trimestre de 2021: 33 milhões de doses
  • Quarto trimestre de 2021: 29 milhões

Terceira oferta (30 milhões) 

  • Em 2020: 1,5 milhão de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 2,5 milhões de doses
  • Segundo trimestre de 2021: 8 milhões de doses
  • Terceiro trimestre de 2021: 10 milhões de doses
  • Quarto trimestre de 2021: 8 milhões

Terceira oferta (70 milhões)

  • Em 2020: 1,5 milhão de doses
  • Primeiro trimestre de 2021: 3 milhões de doses
  • Segundo trimestre de 2021: 14 milhões de doses
  • Terceiro trimestre de 2021: 26,5 milhões de doses
  • Quarto trimestre de 2021: 25 milhões

O que aconteceu depois? 

Nenhuma das ofertas foi respondida, segundo Carlos Murillo, mas as conversas continuaram em novembro, após o ex-secretário de comunicação, Fabio Wajngarten, alertar Bolsonaro sobre a tentativa de negócio por parte da Pfizer.

Naquela ocasião, a Pfizer já não previa entrega no ano de 2020. "Posteriormente, no mês de novembro, nós fizemos uma atualizações da nossa oferta. A partir de novembro estávamos conversando por 70 milhões. No dia 11 de novembro fizemos uma oferta por 70 milhões, o quantitativo que conseguíamos ofertar e ofertamos para o Brasil foi de 2 milhões para o primeiro trimestre de 2021, 6,5 no segundo trimestre de 2021, 32 milhões no terceiro trimestre de 2021, 29,5 milhões no quatro trimestre de 2021."

Yahoo Notícias


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem