Banner 1

 


Em cerca de 9 horas de depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou responder perguntas que o colocassem em rota de colisão com o presidente Jair Bolsonaro, como o uso da cloroquina como tratamento precoce para covid-19, e irritou os senadores. O depoimento dele foi realizado na 5ª feira (6.mai.2021).

A comissão investiga o uso do dinheiro federal que foi enviado para cidades e Estados, além de supostas omissões do governo federal no combate à pandemia.

A reunião começou às 10h, e as 10h20 o ministro iniciou sua fala, que seguiu até perto das 17h. Nesse horário, o encontro foi suspenso porque a ordem do dia no Senado foi iniciada. Por volta das 18h30 a oitiva do ministro foi retomada e seguiu até quase 20h30. Pelo menos 30 senadores tiveram seus 15 minutos para questionar o ministro.

VACINA É A SAÍDA

Queiroga começou sua fala aos congressistas que a solução para a pandemia é a imunização das pessoas. Segundo ele, as vacinas são resposta da ciência para a questão sanitária.

“A solução que nós temos para o problema da pandemia é a campanha de vacinação. Então precisamos vacinar a nossa população. A vacina contra covid é uma resposta da ciência. Nunca em tão pouco tempo tivemos vacinas eficazes para combater uma doença viral como a covid.”

De acordo com o ministro, não seria o momento de aprofundar as divergências e sim de procurar consensos e que esse seria o papel da CPI. Perguntado pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre qual era a principal causa do colapso do sistema de saúde, Queiroga respondeu:

“O fortalecimento do Sistema Único de saúde. Os senhores sabem as condições que o sistema de saúde do brasil ele estava antes dessa pandemia: UTIs lotadas, dificuldades nos pronto atendimentos, problemas em formações de médicos especialistas, isso é o que faltou. É um dos pontos que faltou, principalmente para atender os pacientes com síndrome respiratória grave.”

SENADORES SE IRRITAM

O 1º perguntar foi o relator, que questionou se Queiroga compartilhava ou não da posição do presidente Jair Bolsonaro de receitar cloroquina como tratamento precoce para covid-19. O ministro desviou da resposta e disse que não poderia fazer “juízo de valor”.

O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), reclamou da falta de objetividade do médico: “Ministro, o senhor está aqui como testemunha. Essa é a instância. Não tem esse negocio de dizer e jogar para terceiros… O senador Renan fez perguntas simples: faltou o que? Não faltou o dinheiro. Faltou lockdown, faltou o que? Você está aqui como testemunha, estou aqui pra lhe preservar. Não é achismo. É sim ou não”.

Na sequência, em outra pergunta sobre uma ordem do presidente para diminuir entrevistas à imprensa, senadores mais próximos ao Palácio do Planalto reclamaram que Renan estaria direcionando as respostas do entrevistado.

“Em relação à vacinação contra covid, o 1º ministro da Saúde deste governo afirmou que o presidente da República solicitou a diminuição das entrevistas que eram dadas em sua gestão. O que se verificou nas gestões seguintes? Também o ministro Teich ontem disse que houve essa recomendação”, disse Renan.

Um bate-boca se iniciou depois, com senadores dizendo que não era verdade que Mandetta teria dito o que Renan afirmou. Declararam que o relator estava criando uma narrativa inexistente. Leia aqui a transcrição.

SEM PRESSÃO POR CLOROQUINA

Apesar de evitar os temas mais controversos defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro, Queiroga disse que não foi pressionado pelo presidente Jair Bolsonaro para usar a cloroquina em tratamentos contra a covid-19 e também que não autorizou que o remédio sem comprovação de eficácia ser distribuído pela pasta para Estados, municípios e comunidades indígenas.

Segundo Queiroga, ainda não há um protocolo único para o tratamento clínico da covid no Brasil e que este está em formulação pelo Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS). O ministro alegou que, por ser a última instância de análise desse protocolo, não poderia opinar sobre se é ou não a favor do tratamento com cloroquina.

A falta de respostas claras sobre o tema irritaram os senadores, que cobraram mais objetividade. Queiroga seguiu dizendo que há duas correntes na medicina sobre o tratamento precoce e que a ideia é chegar a um consenso.

“Essa questão do tratamento precoce não é decisiva no enfrentamento à pandemia. O que é decisivo é justamente a vacinação e as medidas não farmacológicas.”

Perguntado pelo relator da CPI, Renan Calheiros, se ele sabia da produção e distribuição pelo governo de cloroquina para Estados, municípios e comunidades indígenas, Queiroga negou conhecimento sobre o fato.

“Eu não autorizei não tenho conhecimento de distribuição de cloroquina na nossa gestão”, disse. Nos 2 primeiros dias da CPI, os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich alegaram que sofreram pressão e saíram do cargo por divergências com o presidente a respeito do tratamento com cloroquina.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que o fato de o ministro da Saúde não querer fazer “juízos de valor” à comissão mostra que ele não concorda com o defendido pelo presidente Jair Bolsonaro sobre o enfrentamento da pandemia de covid-19.

“Troque ‘não faria juízo’ de valor por ‘não concordo com isso’ e aí eu acho que nós temos a linha continuada a partir do depoimento do senhor Mandetta que no meu sentir indica que o governo federal adotou deliberadamente uma estratégia de contaminação coletiva, de contaminação natural, de imunidade coletiva, de imunidade natural ou que podemos chamar de imunidade de rebanho.”

TESTES NA CPI

A comissão terá, a partir da próxima 5ª feira (13.mai), testagem ampla para coronavírus. Serão testados os congressistas que vão à comissão, servidores técnicos e assessores indicados pelos partidos e lideranças de bancada.

O pedido dos senadores veio depois de 2 dias de reuniões para ouvir ex-ministros da Saúde que duraram mais de 7 horas cada. As testemunhas foram ouvidas presencialmente, assim como também estiveram presentes o presidente, o vice-presidente e o relator.

O pedido foi feito ao presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que autorizou a realização dos testes semanais.

Oficialmente, a comissão está funcionando de forma semipresencial, mas diversos outros senadores também têm comparecido presencialmente às reuniões.

Apesar de quase metade dos senadores já terem tomado pelo menos uma dose da vacina contra covid-19 como mostrou o Poder360, complicações da covid-19 já vitimaram 3 senadores.

BARRA TORRES ADIADO

Além de Queiroga, estava previsto para ser ouvido pela CPI o presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Barra Torres. Seu depoimento começaria às 14h, mas os senadores perceberam que não teria como acomodar as duas oitivas no mesmo dia.

O interrogatório passou para a próxima 3ª feira (11.mai), depois dele serão ouvidos os representantes de vacinas, o ex-chefe da Secretaria de Comunicação do governo federal, Fabio Wajngarten, e o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para falar à comissão na próxima semana.

Nesta semana, a CPI já ouviu os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Eis a agenda:

3ª feira (11.mai): presidente da Anvisa, Barra Torres;

4ª feira (12.mai): Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria de Comunicação do governo federal;

5ª feira (13.mai): Marta Díez, presidente da Pfizer no Brasil, e seu antecessor, Carlos Murillo, e o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

A agenda ainda pode mudar de acordo com a vontade dos senadores até a data das reuniões. Antes estava prevista a entrevista também da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, e o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, e Castro Marques, presidente da União Química, que tem parceria com a Sputinik V.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem