Banner 1

 


O presidente Jair Bolsonaro já defendeu tortura para um depoente que invocou o direito de permanecer calado em uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). Em 25 de maio de 1999, o então deputado federal atacou o economista Chico Lopes, ex-presidente do Banco Central, que se recusou naquele ano a depor à CPI dos Bancos na condição de testemunha.

“Dá porrada no Chico Lopes. Eu até sou favorável que a CPI, no caso do Chico Lopes, tivesse pau de arara lá. Ele merecia isso: pau de arara. Funciona! Eu sou favorável à tortura, tu sabe disso. E o povo é favorável a isso também”, disse Bolsonaro em uma entrevista ao programa Câmera Aberta, da TV Bandeirantes.

Hoje, o atual presidente da República vê aliados pedirem ao STF (Supremo Tribunal Federal) para ficarem em silêncio na CPI da Covid. Na 5ª feira (13.mai), a AGU (Advocacia-Geral da União) apresentou habeas corpus ao STF para que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello se mantenha em silêncio no depoimento marcado para esta 4ª feira (19.mai).

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, fez o mesmo pedido à Corte no último domingo (16.mai).

Na participação no programa, ainda como congressista, Bolsonaro também falou que governos não deveriam temer CPIs: “Como é que pode um ex-presidente de Banco Central falar que tem o direito de ficar calado? É um imoral, um sem-vergonha. Ele tinha que ir lá e contar a verdade. Por que o medo da verdade?”.

Assista a declaração (2min7s):

“É um ladrão. Eu não posso falar outra coisa. Quer me processar, processe. Ainda bem que eu tenho imunidade [parlamentar], tá ok? Porque, se ele [Lopes] abre a boca, cai o governo.”

Na mesma entrevista, que voltou a circular ainda durante a campanha para a eleição presidencial de 2018, o atual chefe do Executivo defendeu o fuzilamento de FHC e disse que “daria golpe no mesmo dia” e fecharia o Congresso se fosse eleito presidente da República.

Poder360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem