Banner 1

 


O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou diversas vezes o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), durante reunião com outros ministros, nessa terça-feira (27/4). No encontro, sem saber que estava sendo gravado, segundo o Estadão, o chefe da pasta ainda afirmou que o governo federal deu bolsas em universidades para “todo mundo”, e que até a quem não tinha a “menor capacidade” e “não sabia ler nem escrever” entrou na graduação por esse caminho.

Na ocasião, Guedes afirmou ainda que o filho do seu porteiro teria sido beneficiado mesmo após zerar o vestibular, ainda que o programa tenha exigências de nota mínima para aprovar o financiamento. “O porteiro do meu prédio, uma vez, virou para mim e falou assim: ‘Seu Paulo, eu estou muito preocupado’. O que houve? ‘Meu filho passou na universidade privada’. Ué, mas está triste por quê? ‘Ele tirou zero na prova. Tirou zero em todas as provas e eu recebi um negócio dizendo: Parabéns, seu filho tirou…’”, disse.

As falas de Guedes foram feitas em reunião do Conselho de Saúde Suplementar (Consu), da qual participaram, além do ministro da Economia, os titulares da Saúde, Marcelo Queiroga; da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos; e da Justiça, Anderson Torres. Ainda acompanharam o debate representantes do Ministério Público Federal (MPF) e da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

No mesmo encontro, Guedes avaliou que o Fies foi um “desastre” que “enriqueceu meia dúzia de empresários”. Só foi alertado que a reunião estava sendo gravada após mais de 40 minutos de debate. “Só não manda para o ar, por favor”, teria dito Guedes.

Maconha, bebida, droga…

As críticas de Guedes se estenderam. O ministro sustentou que percebeu a deficiência da rede pública de ensino e passou a investir, décadas atrás, na educação privada. “Acho que vai acontecer a mesma coisa na saúde”, disse Guedes.

O ministro chegou a dizer que uma solução para garantir o acesso da população aos serviços de saúde seria a entrega de “vouchers”. “Você é pobre? Você está doente? Está aqui seu voucher. Vai no Einsten, se você quiser”, declarou o ministro, em referência ao Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

O chefe da pasta seguiu alegando que as universidades estão em estado “caótico”: “Paulo Freire, ensinando sexo para criança de 5 anos. Todo mundo… maconha, bebida, droga. Dentro da universidade. Estado caótico. Eu prevejo o mesmo fenômeno para a saúde”.

Ao saber que estava sendo gravado, o ministro alegou que as críticas se referiam apenas a algumas universidades. Ele afirmou ainda que estudou em escolas públicas e disse ser a “prova viva” de que, com “algum investimento”, uma pessoa pode sair da classe média baixa e ter “sucesso na vida profissional”.

Ao Metrópoles, o Ministério da Economia afirmou que não vai comentar a fala do ministro.

Metrópoles


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem