Banner 1

 


A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e Sindipetros filiados vão retomar nesta semana as ações de oferta de combustíveis a preços justos à população. Já estão definidas mobilizações em São Paulo (SP) e Mossoró (RN), nesta segunda (8/3) (ver serviço abaixo), mas a entidade e seus sindicatos querem criar um calendário permanente para o “Dia Nacional dos Combustíveis a Preço Justo”, promovido na última semana em diversas cidades do país. Por isso, a expectativa é que novas ações ocorram nesta e nas próximas semanas.

A campanha tem como objetivo mostrar à população que os preços de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha podem ser menores, se a Petrobrás mudar sua política de reajustes, baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). Além disso, chama atenção para o prejuízo ao consumidor com a venda de ativos da empresa, em especial de oito de suas refinarias – uma “privatização aos pedaços” da companhia.

A criação de um calendário permanente para as ações proposta por FUP e Sindipetros se justifica. Afinal, na última semana o barril do petróleo Brent, que referencia o mercado internacional, atingiu quase US$ 70 e acumulou alta de 5,2% na semana. O dólar comercial se valorizou 1,39% no mesmo período, fechando a R$ 5,684. Como a Petrobras usa o PPI para reajustar seus preços, sem considerar os custos nacionais de produção dos derivados, a expectativa é que ocorram novos aumentos de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha nesta semana, já que o petróleo e o dólar estão em alta.

Para a FUP e seus sindicatos, somente o fim do PPI vai dar a previsibilidade necessária aos preços dos derivados. Os combustíveis sobem nos postos, mas também impactam toda a cadeia produtiva e pressionam a inflação – uma dupla perda para a população. E caso a venda das refinarias da Petrobras se concretize, essa política de reajustes vai se tornar permanente.

“A FUP e seus sindicatos defendem o fim do PPI desde sua instauração, em outubro de 2016. E frisamos que a venda das refinarias da Petrobrás vai ser a instauração em definitivo dessa política de preços que olha somente para o exterior para colocar preço em combustíveis produzidos no Brasil, por refinarias brasileiras, da Petrobrás. Quem comprar esses ativos poderá cobrar o preço que quiser, e obviamente se guiará apenas pelos valores internacionais. O bolso do consumidor vai doer ainda mais”, explica Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP.

Por isso, as entidades sindicais defendem que a Petrobrás considere os custos nacionais de produção dos combustíveis nos cálculos, já que a empresa usa petróleo nacional e o processa em suas refinarias no Brasil, que são capazes de suprir 90%, em média, dos combustíveis necessários ao abastecimento nacional.

Na semana passada, a FUP e seus Sindipetros, em parceria com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), ofertaram 22 mil litros de gasolina a R$ 3,50, 10 mil litros de óleo diesel a R$ 3,09, e 450 botijões de gás de cozinha a R$ 40 (preços médios) em Manaus (AM), Belém (PA), Recife (PE), Simões Filho e Feira de Santana (BA), São Mateus (ES), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

Os preços justos de gasolina, diesel e gás de cozinha foram definidos a partir de estudos elaborados por técnicos e economistas, levando em consideração os preços e custos da Petrobrás e a garantia de lucratividade de empresas produtoras, distribuidoras e revendedores. Portanto, os valores definidos comprovam que o consumidor não precisa e não deve pagar essa conta.

GREVE DEVE RECEBER NOVAS ADESÕES ESTA SEMANA

As greves regionais iniciadas na última sexta (5/3) por Sindipetros filiados à FUP entra em seu terceiro dia com expectativa de novas adesões na semana. A mobilização foi iniciada no Amazonas, em São Paulo e no Espírito Santo. Na Bahia, a categoria retomou por tempo indeterminado a greve temporariamente suspensa durante negociação com a Petrobrás.

Trabalhadores e trabalhadoras da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, e da Usina do Xisto (SIX), no Paraná, já aprovaram o indicativo da FUP e devem aderir ao movimento nos próximos dias. A aprovação também já ocorreu em Minas Gerais, onde o Sindipetro-MG prepara o início da mobilização. Outras bases da FUP ainda realizam assembleias.

O movimento cobra da Petrobrás condições seguras de trabalho, sobretudo no que tange à contaminação por Covid-19; o fim do assédio moral a trabalhadores; a manutenção dos empregos; e o respeito ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). Além disso, a mobilização quer chamar a atenção da população para os prejuízos da “privatização aos pedaços” da Petrobrás que a atual gestão está promovendo, como a venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, para o Fundo Mubadala, por US$ 1,65 bilhão, valor abaixo do mercado.

SERVIÇO – CAMPANHA COMBUSTÍVEIS A PREÇOS JUSTOS

SÃO PAULO

Ação promovida pelo Sindipetro Unificado-SP nesta segunda-feira (8/3), às 13 h, no Auto Posto Cidade (Rua Frederico Alvarenga, 65 - Centro), com oferta de gasolina a preço justo para motoristas mulheres de aplicativo.

RIO GRANDE DO NORTE

Ações promovidas pelo Sindipetro Rio Grande do Norte entre os dias 8 e 12 de março, iniciando na cidade de Mossoró, com previsão de alcançar os principais municípios do estado. Serão 2 mil litros de combustível em Mossoró, para motoristas de transportes autônomos.


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem