Banner 1

 


O médico Marcelo Queiroga será o novo ministro da Saúde, substituindo o militar da ativa General Eduardo Pazuello. A informação foi confirmada pelo presidente Jair Bolsonaro na 2ª feira (15.mar.2021).

Queiroga assumirá uma das maiores pastas do governo e terá que enfrentar os desafios que a covid-19 impõe aos sistemas de saúde dos Estados e municípios, além de organizar o foco das políticas públicas do ministério e acelerar a vacinação contra a doença – que está em recrudescimento nas infecções no Brasil.

O médico é natural de Cabedelo, na Paraíba. Formou-se em 1988, na Universidade Federal da Estado. Fez residência em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista de 1991 a 1993.

Assumiu a diretoria técnica do Cardiocenter, em 1997, e é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia desde 2020. Comandou a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista de janeiro de 2012 a janeiro de 2014.

Nas redes sociais, o novo ministro já curtiu diversos posts de Bolsonaro e de personalidades alinhadas ao Planalto, mas também favoritou reportagens com tom crítico ao governo, como uma publicada pelo site O Antagonista com o título: “Em Israel, comitiva brasileira inova e usa máscaras”.

Mesmo com casos específicos, a maioria dos posts lidos e comentados por Queiroga são de médicos ou publicações que citam artigos científicos – nos últimos meses, em sua maioria, com foco no novo coronavírus. O cardiologista também se mostrou entusiasta da vacinação.

Como trabalha na linha de frente, o médico foi imunizado contra a covid-19 em 20 de janeiro. Publicou vídeo em seu perfil no Instagram: “Hoje tomei a 1ª dose da vacina contra a covid-19, mais segurança para quem trabalha na linha de frente. Além disso, a cobertura vacinal ampla vai nos ajudar a conter a pandemia”.

Novo ministro da Saúde descarta lockdown como política contra Covid

Em à CNN, na noite de segunda-feira (15), logo após ser anunciado como ministro, Queiroga afirmou que lockdown só deve ser aplicado em “situações extremas” e “não pode ser política de governo”.

“Esse termo de lockdown decorre de situações extremas. São situações extremas em que se aplica. Não pode ser política de governo fazer lockdown. Tem outros aspectos da economia para serem olhados”, afirmou Queiroga em conversa por telefone.

Segundo o novo ministro, é preciso “assegurar que atividade econômica continue, porque a gente precisa gerar emprego e renda. Quanto mais eficiente forem as políticas sanitárias, mais rápido vai haver uma retomada da economia."

 O cardiologista avaliou que as vacinas adquiridas por Eduardo Pazuello devem garantir um programa de vacinação “amplo” e ressaltou que, na conversa que tiveram mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro pediu que questões operacionais sejam expostas de forma clara.

"Tratamento precoce"

Indagado sobre a defesa de tratamento precoce para Covid-19 por Bolsonaro, Queiroga defendeu que “é algo que precisa ser analisado para que a gente consiga chegar a um ponto comum que permita contextualizar essa questão no âmbito da evidência científica e da ciência”.

“Isso é uma questão médica. O que é tratamento precoce? No caso da Covid-19, a gente não tem um tratamento específico. Existem determinadas medicações que são usadas, cuja evidência científica não está comprovada, mas, mesmo assim, médicos têm autonomia para prescrever”, ponderou.

O médico contou que deve se reunir com Pazuello nos próximos dias para que possam fazer a transição de “maneira harmônica” e evitar interrupção de políticas públicas. Ele afirmou ainda que pretende trabalhar no sentido de ter uma equipe “técnica” no ministério.

CNN Brasil e Folha de São Paulo


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem